Polícia investiga envenenamento em hospital de Salvador

No último sábado, funcionários tomaram café servido no refeitório e 15 minutos depois passaram mal

13 de novembro de 2007 | 03h08

Começaram nesta segunda-feira, 12, as investigações para apurar os responsáveis por um envenenamento ocorrido no último sábado em um núcleo residencial para pacientes de baixa renda da Associação Obras Sociais Irmã Dulce, situado no Largo de Roma, em Salvador (BA). Segundo o Jornal da Globo, chumbinho - um tipo de raticida - teria sido colocado no café que é servido em uma garrafa térmica para parte dos 145 funcionários. Dez deles tomaram o café na copa do Centro de Reabilitação e Prevenção de Deficiências (CRPD), onde vivem cerca de 120 pacientes. A área da cozinha é restrita aos funcionários. O café foi servido por volta das 8 horas e há suspeita que a bebida tenha sido adulterada em uma garrafa térmica específica. Cerca de 15 minutos depois da ingestão, parte dos funcionários da associação apresentou náuseas e diarréia. O envenenamento foi confirmado pela Secretaria de Saúde do Estado. O órgão solicitou amostras de sangue e urina dos dez funcionários que passaram mal. O resultado dos exames mostrou alterações provocadas pela ingestão de veneno. De acordo com um documento da associação, a análise das amostras indicou que os funcionários podem ter ingerido mesmo o chamado chumbinho.

Mais conteúdo sobre:
Salvadorenvenenamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.