Polícia investiga envolvimento de pagodeiro com tráfico de drogas

O pagodeiro Marcelo Pires Vieira, o Belo, de 28 anos, será intimado a depor esta semana no inquérito em que apura o suposto envolvimento do ex-vocalista do grupo Soweto com o tráfico de drogas na Favela do Jacarezinho, na zona norte. Segundo a polícia, foram gravadas duas fitas com conversas telefônicas entre o traficante Valdir Ferreira, o Vado, com um homem que falava da casa de Belo.O cantor vai liberar suas linhas telefônicas e sua conta bancária para a Polícia Civil agilizar as investigações da polícia. ?Não posso ser leviano e afirmar que era ele quem falava, mas vamos investigar essa possibilidade?, afirmou o delegado Ricardo Hallack, que assumiu na última sexta-feira a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco).As gravações, feitas com autorização da Justiça, fazem parte de um inquérito que apura o tráfico no complexo do Jacarezinho, na zona norte. Os telefones visados eram de Vado e duas ligações para a casa de Belo, no mesmo dia, foram interceptadas. Numa, o traficante pede R$ 11 mil emprestados. Na outra, Vado e o interlocutor conversam sobre uma quadra de esportes próxima à favela que poderia ser usada para shows.Hoje, o advogado de Belo, Sílvio Guerra, vai à Draco saber que acusações pesam sobre o seu cliente e reclamar que a polícia não está respeitando seu direito à presunção de inocência. Ele disse que o cantor foi surpreendido com a acusação em Florianópolis, onde divulgava segundo disco solo, mas estará de volta ao Rio amanhã, pois apresenta-se toda semana em uma casa noturna de Caxias, na região metropolitana da capital. ?Vamos pedir todo o rigor nas apurações, para não haver qualquer suspeita sobre Belo?, adiantou Guerra.O delegado Hallack vai intimar Belo para saber se era ele quem conversava com o traficante e pode pedir ainda perícia nas fitas para comparar a voz da pessoa que falou com Vado com a do cantor. Hallack quer saber ainda se o dinheiro foi emprestado, como ele foi gasto e que tipo de ligação existe entre Belo e Vado.O delegado disse ter enviado enviou uma intimação para a casa do cantor, no Condomínio Maramar, no Recreio dos Bandeirantes, na útlima quinta-feira. ?Os funcionários foram orientados a não receber o documento. Vamos intimá-lo novamente?, contou Hallack, que ressaltou ainda não haver crime configurado, até o momento.Belo é ex-vocalista do grupo de pagode Soweto, com o qual vendeu dois milhões de discos. Em carreira solo, lançou um cd que vendeu 700 mil cópias e atualmente divulga o que gravou ao vivo, no ano passado. Ele é noivo da madrinha da bateria da Mocidade Independente, Viviane Araújo, e é conhecido por sua generosidade: no ano passado, presenteou a noiva com um Jaguar, este ano ela ganhou um Audi avaliado em R$ 140 mil e um conjunto de colar e anel de ouro, cravejado de diamantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.