Polícia investiga mortes de empresário e de secretário no Rio

A polícia investiga a ligação entre o assassinato de um empresário de vans ocorrido no final de semana, em Campos, com a morte do secretário de Transportes de Macaé, Fernando Magalhães, morto na quinta-feira, em Macaé. Os dois municípios do norte fluminense são vizinhos.No sábado, o empresário Cedcmundo Aleixo da Silva Neto, de 27 anos, conhecido como CD da Van, foi assassinado a tiros. Três suspeitos foram presos: o desempregado Bruno Alvarenga, de 22 anos, e dois policiais militares, os soldados Márcio Ferreira da Silva, do 7º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e José Marques do Vale Júnior, do 11º BPM.O delegado da 123ª Delegacia de Polícia, em Macaé, Daniel Bandeira de Mello, deve fazer nos próximos dias o confronto balístico com as cápsulas das balas recolhidas no cenário de ambos os crimes. "Não descartamos a possibilidade de ligação entre as duas mortes", disse ele, "mas é prematuro fazer qualquer afirmação."O empresário Silva Neto era proprietário de uma frota de vans que faz a linha Cardoso Moreira-Itaperuna. Os suspeitos foram detidos pela Polícia Militar com base na descrição de testemunhas. Eles foram autuados por formação de quadrilha e homicídio doloso. Com eles, a polícia apreendeu quatro armas e vasta munição, além de quatro toucas ninja. No local do crime foram recolhidas cápsulas de pistola 45, cujo carregador vazio estava no carro em que estavam os suspeitos.Segundo o delegado Mello, é possível que os dois crimes tenham a ver com a disputa pelo controle de vans na cidade. Ele disse também que o secretário Magalhães vinha recebendo ameaças. "Já ouvi o depoimento de parentes e eles disseram que Magalhães vinha sendo ameaçado pelo telefone", disse o delegado. Em sua gestão, o secretário Magalhães reduziu o número de peruas de 640 para 52.O segurança Edson Souza, que acompanhava Magalhães e saiu ileso da emboscada, também prestou depoimento. Ele contou ter visto um homem em posição de tiro, mas abaixou-se e não viu mais nada. O outro segurança que acompanhava o secretário, Rinaldo Pereira de Freitas, permanece em coma no Hospital Público Municipal. Ele foi atingido na cabeça e seu estado de saúde é grave.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.