Polícia investiga mortes de menina e professor em motel

A polícia gaúcha investiga a morte misteriosa da adolescente Gabriela Muratt, de 13 anos, e de seu instrutor de piano, Marcos Maronez Júnior, de 31 anos, no Motel Atenas, de Porto Alegre. Os dois foram encontrados agonizando dentro de um quarto, na manhã de domingo. Levados ao Hospital São Lucas, da Pontifícia Universidade Católica (PUC), eles não resistiram aos ferimentos na cabeça, provocados por disparos de revólver. A família comunicou o desaparecimento de Gabriela à polícia na sexta-feira. Em poucas horas os investigadores passaram a procurar também por Maronez porque descobriram que o professor, recém-separado e pai de um filho, havia saído de sua casa na noite de quinta-feira.Às 10 horas de domingo, a polícia conseguiu fechar o quebra-cabeças depois de ser avisada por funcionários do motel que um casal havia sido encontrado ferido após passar a noite no local e não sair às 8 horas, conforme havia combinado com a recepção .O cenário encontrado no quarto, com dois revólveres, calibres 32 e 38, e duas cartas, indicava inicialmente a hipótese de um pacto de morte entre professor e aluna. Mas a delegada da Criança e do Adolescente, Eliete Matias Rodrigues, descartou a possibilidade nesta segunda-feiraA policial revela que está inclinada a acreditar que Maronez tenha matado Gabriela e depois se suicidado. O conteúdo das cartas não foi revelado. Os laudos da perícia devem ficar prontos em 15 dias. Os proprietários do motel estão sujeitos a multas porque, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, são proibidos de hospedar menores de idade.O corpo da menina foi enterrado nesta segunda-feira no Cemitério Jardim da Paz, em cerimônia reservada aos familiares. Até o final da tarde o corpo do professor ainda não havia sido liberado pelo Instituto Médico Legal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.