Polícia investiga mortes em guerra de facções em SP

Após o estouro de um cativeiro na zona norte, a polícia começou nesta segunda a investigar uma denúncia de que facções criminosas estão em guerra pelo domínio do tráfico de drogas na região de Parada de Taipas, em São Paulo. Segundo as informações obtidas pela polícia, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e um grupo rival começaram o confronto na noite de hoje, perto da Avenida Fernando Mendes de Almeida, na Vila Taipas.O PCC teria feito reféns e atacado cinco pessoas do outro grupo a machadadas, e três delas teriam sido mortas. Os bandidos então decidiram esconder os corpos. Um homem, que seria o segurança do cativeiro onde as cinco pessoas se encontravam, foi preso.A denúncia foi feita por um dos agredidos que sobreviveu. Ele foi libertado por policiais militares do Tático Móvel do 18º Batalhão após a Polícia Militar receber uma denúncia anônima informando o local do cativeiro, na Rua José Mendes. A outra sobrevivente ficou ferida na cabeça. No local só estavam os dois reféns feridos e o segurança do cativeiro. O refém ferido foi levado ao Pronto-Socorro do Hospital Geral de Taipas.Ele contou aos policiais que membros do PCC mantinham essas pessoas reféns para incriminar a facção a que elas estariam relacionadas. Quando os criminosos viram os veículos da Polícia Militar nas proximidades, decidiram agredi-las com um machado em vez de usar armas de fogo para não chamar a atenção dos policiais.Como há um mata densa na região, policiais militares do Comando de Operações Especiais (COE) foram acionados para realizar as buscas aos desaparecidos. Além do helicóptero Águia da PM, foram mobilizados 11 policiais do grupo de elite e várias guarnições do 18º BPMM para a operação. Até as 20h15, eles não haviam localizado nem os bandidos nem os três corpos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.