Polícia investiga ossos encontrados em canavial

A polícia de Guariba, na região de Ribeirão Preto, vai pedir o exame de DNA para confirmar se a ossada encontrada no canavial da Usina São Carlos, na tarde de domingo último, pertencem ao empresário José Osmar Pérsico.O empresário tinha uma empresa de factoring na vizinha Taquaritinga e estava com problemas financeiros. Ele estava desaparecido há cerca de três meses.Porém, antes disso, o delegado Carlos Alberto Gomes da Rocha Silva quer uma confirmação oficial do legista: se a ossada é humana."Tenho certeza de que os ossos são humanos, mas quero uma confirmação oficial disso", explicou Silva.A dificuldade em afirmar que os ossos são humanos, sem exame detalhado, se deve a que o corpo foi triturado por uma máquina colheitadeira de cana.Os funcionários da usina só perceberam os ossos quando sentiram um forte cheiro. Segundo o delegado, sobraram no local apenas parte da crânio, uma (possível) vértebra, cabelo (ou tecido animal) e um dos pés (dentro de uma botina). Parentes de Pérsico reconheceram a botina, a meia e uma palmilha. Dois laudos deverão ser feitos. Um deles, o oficial, será solicitado pela polícia ao Instituto Médico-Legal, de São Paulo, e outro, particular, pela família de Pérsico, que deverá pedir o exame ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto.Endividado, Pérsico tinha dito a amigos que se mataria e, após desaparecer, o seu Fusca foi encontrado, em 18 de julho, num posto de combustíveis de Guariba, a poucos metros de onde foi encontrada a ossada.

Agencia Estado,

17 de outubro de 2001 | 21h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.