Polícia investiga se bala perdida partiu de dentro do Vasco

A polícia carioca informou nesta terça-feira que ainda não tem pistas do atirador que atingiu o peito do atleta Luciano de Souza da Silva, de 14 anos, dentro do alojamento do clube Vasco da Gama, em São Cristovão, zona norte do Rio, por volta de 22 horas de ontem. Mas investiga se o disparo partiu de dentro do clube. O presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda, negou essa possibilidade. "Não tem a menor chance de o tiro ter sido disparado daqui. Os seguranças andam desarmados - a não ser policiais que possam estar de serviço", afirmou. O atleta e outros seis meninos assistiam à novela "Mulheres Apaixonadas", justamente o capítulo em que dois personagens foram vítimas de bala perdida. No intervalo, ele foi até a janela. No mesmo momento, outros dois adolescentes foram vítimas de balas perdidas em outros pontos da cidade.O cirurgião de tórax Aloan Jr. disse que a bala está alojada no meio do pulmão esquerdo e que as chances de retirá-la são pequenas. "Não há intenção de retirar a bala e sim acompanhar a lesão. Não houve comprometimento de nenhum órgão vital." Segundo o médico, a análise da radiografia do tórax demonstrou que ele foi atingido por bala de baixa velocidade, podendo ser de pistola ou revólver. O garoto apresenta quadro estável e deve ter alta na quinta-feira. As despesas médicas estão sendo pagas pelo Vasco. O delegado titular da 17ª Delegacia Policial, Fábio da Costa Ferreira quer saber quantos seguranças do Vasco estavam de plantão no momento do disparo e se eles estavam armados. A sede do Vasco é cercada por favelas, entre elas a Barreira do Vasco e o Morro do Tuiuti. A janela, que teve o vidro perfurado, fica de frente para a Barreira. De acordo com o delegado, a Polícia Militar informou que não houve registro de operações nas favelas da região nem de confronto entre traficantes na hora do disparo.No momento em que o atleta do Vasco Luciano de Souza da Silva foi atingido por bala perdida, outros dois meninos passavam pelo mesmo pesadelo em outros pontos da cidade. Diogo Luiz Quintana Nascimento, de 12 anos, foi atingido nas costas quando o padrasto tentava fugir de um assalto, em Senador Camará, zona oeste. Ele não corre risco de vida. O padrasto, o sargento da PM Antônio Afonso Fernandes, de 44 anos, foi ferido na clavícula esquerda e está em estado grave. No outro caso, Edson Moisés Caldeiras, de 17 anos, andava pela Avenida Bento Ribeiro, acesso às favelas do Complexo da Maré, quando houve troca de tiros entre traficantes. Foi alvejado na coxa. Caldeiras foi socorrido por moradores e levado para o Hospital Geral de Bonsucesso, na zona norte. O estado de saúde do rapaz é estável, segundo o hospital.

Agencia Estado,

12 de agosto de 2003 | 20h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.