Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Polícia investiga se explosão no Rio foi provocada por cigarro

Polícia já ouviu 14 testemunhas, incluindo duas vítimas da explosão

Agência Brasil ,

14 Outubro 2011 | 19h46

RIO - A Polícia Civil ouvirá no sábado o depoimento de Jorge Amaral, gerente do Restaurante Filé Carioca, que explodiu na quinta-feira no centro do Rio. Amaral é irmão do proprietário do estabelecimento, Carlos Rogério Amaral, que também deverá prestar depoimento amanhã.

O delegado Antônio Bonfim, responsável pelas investigações, quer ouvir Jorge Amaral para investigar a possibilidade de a explosão ter sido provocada por um cigarro aceso pelo chefe de cozinha do estabelecimento, Severino Antonio Tavares, um dos três mortos no acidente.

Segundo o depoimento do jornaleiro Jorge Luiz Rosa, outra pessoa pode ter acendido um cigarro. O jornaleiro informou à polícia que momentos antes da explosão um funcionário chamado Roberto comprou cigarro na sua banca.

A polícia também quer saber de Amaral quem foi o funcionário que abriu o restaurante na manhã de ontem.

Na manhã desta sexta-feira, 14, o aposentado Márcio Antonio de Souza de 42 anos, um dos 17 feridos, prestou depoimento. Ele chegou cedo à delegacia, com os braços enfaixados. O aposentado foi atingido pela explosão enquanto passava na calçada.

O delegado aguarda que outras pessoas tenham alta médica e que os laudos periciais fiquem prontos para avançar com as investigações. Até o momento, já foram ouvidas 14 pessoas, entre as quais duas vítimas.

Mais conteúdo sobre:
explosaop rio file carioca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.