AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Polícia investiga suspeitos de seqüestro em Franca

O 5º DP de Franca, na região de Ribeirão Preto, investiga se existem outros participantes, além dos quatro suspeitos presos na noite desta terça-feira, 30, no seqüestro do comerciante e pastor evangélico Edílson Fernando Flávio, de 36 anos. O caso ainda não está concluído. Flávio tinha sido seqüestrado, durante a entrega de produtos de sua mercearia, no início da noite da última segunda-feira. Ele foi rendido, espancado e atingido por quatro tiros. O pastor, que já teve passagens pela polícia, conseguiu fugir do cativeiro e avisar a polícia. Apesar de ferido, ele não corre risco de morte.Flávio fazia uma entrega na casa do lavrador Claudinei Soares da Silva, de 21 anos. Lá, ele foi agredido a pauladas por não fornecer os telefones da mulher e de responsáveis por sua igreja. Ele ainda tentou fugir, mas foi perseguido e baleado. Quatro tiros o atingiram de raspão na cabeça, ombro, pé e no braço esquerdo. Flávio ficou amarrado durante aquela noite. Os bandidos teriam ameaçado matar a mulher dele e pediram R$ 200 mil para libertá-lo. O comerciante disse que não tinha o dinheiro.Na manhã de segunda, 30, os cartões de crédito de Flávio estavam em poder dos seqüestradores. Três deles saíram para tentar fazer saques e um ficou vigiando o comerciante-pastor no cativeiro. Perto das 11 horas, o vigia teria dormido e Flávio aproveitou para fugir. Escondeu-se no mato até as 15 horas e avisou a Polícia Militar, depois de caminhar até uma fazenda vizinha.A PM, então, localizou e prendeu os quatro suspeitos, reconhecidos por Flávio: além de Claudinei Soares da Silva, foram detidos Adão Vieira dos Santos, de 18 anos, Paulo Sérgio Vieira dos Santos, de 18, e Moacir Ferreira da Silva, de 24. Todos negaram participações no seqüestro, mas foram autuados em flagrante por extorsão mediante seqüestro e formação de quadrilha. Eles foram levados à Cadeia do Jardim Guanabara. Foram apreendidas um revólver, uma arma de brinquedo e projéteis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.