Polícia investiga troca de corpos

A Polícia Civil de Birigüi, a 518 km de São Paulo, começa a apurar hoje suposta irregularidade na troca de caixões de vítimas do acidente do Airbus da TAM, ocorrida anteontem no Cemitério da Consolação, em São Paulo. Um corpo ainda não identificado foi enterrado como sendo o do empresário Márcio Rogério Andrade, que no dia 22 deveria ter sido sepultado no mesmo túmulo com a mulher, a filha e um cunhado. Representantes do Instituto Médico-Legal (IML) abriram anteontem o jazigo, retiraram o caixão da vítima não identificada e enterraram outro com o corpo correto.O IML atribuiu a troca a um erro administrativo. Um funcionário do Serviço Funerário da Prefeitura de São Paulo teria retirado o caixão errado, pensando quer era o de Andrade, e fez a troca por conta própria. Mas isso só poderia ser feito mediante autorização de juiz ou delegado.''''Ficamos sabendo pela imprensa que alguém teria fechado o cemitério e feito uma exumação ou troca de cadáveres'''', disse o delegado de Birigüi, José Luiz Lima. Segundo ele, a punição pode ir de 1 a 12 meses de prisão.Mais oito vítimas do acidente foram identificadas até o início da noite de ontem. Com isso, chega a 132 o número de corpos reconhecidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.