Polícia investiga vídeo que mostra suposto traficante sendo baleado no Rio

Suspeita é que tiro contra vítima no Morro do Fallet tenha partido de local onde PM faz plantão

Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo

09 de junho de 2010 | 16h19

RIO - A divulgação de uma execução no site de vídeos YouTube mudou os rumos da investigação sobre a morte de um traficante no Morro da Fallet, em Santa Teresa, no centro do Rio. As imagens mostram um homem armado sendo atingido pelas costas, a 300 metros de distância, por um tiro preciso, enquanto caminhava armado com um fuzil, acompanhado por dois comparsas.

 

As vozes de três homens comemoram o disparo certeiro. A polícia, que antes atribuía o crime a uma desavença rotineira entre traficantes, agora não descarta o envolvimento de um atirador de elite da Polícia Militar no caso.

 

 

 

Divulgado na última sexta-feira, 4, o vídeo "Fallet nem viu de onde veio" parece filmado em um dos últimos andares do prédio abandonado do Hospital IV Centenário, em Santa Teresa, cuja vista dos fundos é para o acesso ao morro. As vozes de pelo menos três homens são identificadas. Após o disparo, o atirador fala "Que delícia! Peguei Mané". Após a morte do traficante, no mesmo dia, a fachada do prédio foi metralhada. No local, um policial militar ficava de plantão para evitar invasões ao prédio, desocupado há três anos. O 1º Batalhão de Polícia Militar do Estácio negou qualquer incursão da PM na favela naquele dia.

 

O traficante morto era Alex Martiniano da Silva, de 31 anos, gerente do tráfico no Fallet. Ele tinha oito anotações criminais, entre elas um homicídio, receptação de produtos roubados, porte ilegal de arma e pelo menos três passagens por tráfico de drogas.

 

De acordo com delegado titular da 7ª DP, Ricardo Codeceira Lopes, oficialmente constaria no inquérito da morte dele que o criminoso foi deixado por comparsas ferido na porta do Hospital Souza Aguiar, no Centro do Rio, após ter sido baleado no tórax, no Morro do Fallet. O laudo cadavérico aponta que ele chegou a ser operado, mas não resistiu e morreu no centro cirúrgico.

 

"Sabíamos apenas que o traficante tinha sido baleado na comunidade, sem maiores esclarecimentos. O que vi na imagem foi um homicídio. A identificação do traficante já está confirmada. Sobre o autor do disparo, nenhuma hipótese está descartada, mas seria leviano especular", disse o delegado, que assistiu ao vídeo pela primeira vez nesta terça-feira. Ele não descarta a realização de uma reconstituição para saber com exatidão de onde partiu o disparo.

 

O vídeo foi divulgado na sexta-feira por um homem que se identifica no YouTube como Fernando Cansado, de 24 anos. Além da filmagem, a outra atividade dele no site é um comentário sobre a morte de um assaltante, que mantinha uma mulher como refém. "Show de bola! Se a polícia sempre atuasse assim a vagabundagem estava f...", escreveu Fernando. O delegado informou que também investigará os autores da filmagem e da divulgação do filme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.