Polícia já tem suspeito da morte de advogada do PCC

A polícia procura um integrante da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), principal suspeito de ser o homem responsável pelos dois tiros que mataram a advogada Ana Maria Olivatto Herbas Camacho.Ana Maria trabalhava para líderes da facção criminosa e era ex-mulher de um deles, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola. O Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) não quis revelar mais detalhes sobre o suspeito para não prejudicar as investigações. O retrato falado dele foi divulgado nesta sexta-feira pela polícia.O homem tem cerca de 27 anos, olhos castanhos, cavanhaque castanho-escuro, é pardo e magro e usava uma touca quando praticou o assassinato. A polícia não conseguiu nenhuma informação sobre as características do segundo homem envolvido no crime, pois a principal testemunha não conseguiu descrevê-lo ao perito. "Recebemos algumas boas informações", afirmou o diretor do Deic, Godofredo Bittencourt Filho.Ana Maria foi morta na última quarta-feira de manhã na garagem de sua casa, quando se preparava para entrar em seu carro, em um conjunto habitacional, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Segundo a polícia, a advogada estava preocupada com os rumos que uma parte do PCC deu à organização, promovendo uma série de atentados, como o plano de pôr uma bomba na sede da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Essa linha de ação provocou um racha na facção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.