Polícia já tem suspeitos de assalto a batalhão

Retratos falados serão exibidos hoje; ontem houve reconstituição e buscas

Simone Menocchi, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, O Estadao de S.Paulo

11 de março de 2009 | 00h00

Policiais civis e militares do Exército fizeram ontem a reconstituição do roubo de sete fuzis 762 do 6º Batalhão de Infantaria Leve do Exército de Caçapava, no interior de São Paulo. O roubo ocorreu durante a troca de turno na noite de domingo, quando cinco homens invadiram a base e renderam dois soldados. "Não podemos dar detalhes das investigações, mas elas seguem em parceria com o Exército", disse o delegado de Caçapava, Neimar Mendes. A polícia já tem suspeitos, e hoje deve divulgar cinco retratos falados. Depois da reconstituição, cerca de 200 homens do Exército, acompanhados de policiais militares, voltaram a vasculhar ruas nas periferias de São José dos Campos e Caçapava, atrás das armas. O distrito de Eugenio de Melo, em São José dos Campos, teve as entradas bloqueadas pelos soldados. De uniformes do Exército, levados por caminhões e helicópteros, os militares revistavam pessoas, carros e terrenos. Os moradores ficaram assustados com tanto movimento, sem entender o que estava acontecendo. "A gente fica nervosa, meio assustada, mas tomara que achem logo isso", disse a dona de casa Regina Ribeiro. Até o fim da tarde ninguém havia sido preso. As buscas têm tido ajuda de outros comandos do Exército e há até voos noturnos."A reconstituição do crime e as investigações já nos dão informações sobre os suspeitos e as armas, que ainda estão na região (do Vale do Paraíba)", disse o responsável pelo setor de Comunicação do Exército, tenente-coronel José Matheus Ribeiro. Há a suspeita de que o crime tenha sido arquitetado por pessoas que conhecem a rotina militar e sabem onde ficam as armas. "Quem organizou o crime conhecia bem aqui." SERVIÇO MILITARTodos os anos o batalhão assaltado recebe jovens para cumprir o serviço militar. No carnaval, um dos recrutas foi preso na cidade de Jambeiro vendendo drogas. Segundo o comando do Exército, os jovens são expulsos caso se envolvam em qualquer crime, e muitos acabam saindo por esse motivo. FRASESJosé Matheus RibeiroTenente-coronel"A reconstituição do crime e as investigações já nos dão informações sobre os suspeitos e as armas, que ainda estão na região (do Vale do Paraíba)""Quem organizou o crime conhecia bem aqui (o batalhão)"Regina RibeiroDona de casa"Tomara que achem logo isso (os sete fuzis roubados)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.