Polícia liberta empresário seqüestrado

O empresário do ramo de postos de gasolina José Francisco Saraiva Filho foi libertado hoje do cativeiro em uma rua da zona sul de São Paulo. Ele foi seqüestrado na sexta-feira, quando saía de casa.Cinco pessoas envolvidas no seqüestro foram presas. Uma delas, Meire Maria da Silva, trabalhou com Saraiva durante muitos anos. Ela foi contratada quando o empresário tinha apenas dois postos. Ao deixar o emprego, no ano passado, ele já era proprietário de 50 postos.O grupo exigia US$ 3 milhões para libertar Saraiva. As investigações foram chefiadas pelos delegados Marcos Parra e Carlos Carvalho, da 1ª Delegacia de Roubos do Departamento de Investigações Sobre Crimes Patrimoniais (Depatri), que passaram a controlar os telefonemas dados à família.Souberam que Meire e dois cúmplices estavam num supermercado fazendo compras. Esperaram que saíssem, os seguiram e os prenderam. Os três indicaram a casa que era usada como cativeiro.Na primeira noite, Saraiva ficou amarrado. Depois permaneceu apenas trancado no quarto. Os dois responsáveis pelo cativeiro tentaram fugir pelos fundos quando os policiais chegaram, mas não conseguiram.Eles ainda forçaram o ataque de um cão rottweiler na tentativa de escapar. Os investigadores precisaram abater o animal a tiros. Além de Meire, foram presos José Ricardo da Silva, Anderson Antonio Oliveira, Marcos Freitas dos Santos e Aurélio Marcos Coutinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.