Polícia liberta professor universitário de cativeiro em SP

O professor universitário Leôncio Fernandes Pascoal, de 32 anos, foi libertado de um cativeiro, na noite de segunda-feira, 16, na zona sul da capital paulista, após ficar 28 horas em poder de uma quadrilha formada por pelo menos sete seqüestradores. No meio da tarde do último domingo, 15, Pascoal saiu de casa e disse para a mulher que iria comer algo na rua, mas não voltou mais. Próximo de sua residência, a vítima, que dirigia uma picape Ford EcoSport vermelha, foi dominada pelos criminosos e levada para o cativeiro, uma casa localizada no Jardim Ângela. Ao receber o primeiro telefonema dos seqüestradores, a esposa do professor concordou em fazer transferência bancária no valor de R$ 1.000,00 para uma conta da qual os bandidos iriam retirar o dinheiro. O saque foi feito. Essa extorsão seria apenas a primeira de várias, não fosse a prisão de três dos seqüestradores às 18h45 de segunda-feira, 16. Em patrulhamento pela Rua Abílio César, no Capão Redondo, também na zona sul, policiais militares desconfiaram de três ocupantes de uma picape vermelha. Ao abordarem o trio e pesquisarem os dados do veículo, os policiais verificaram que da picape havia uma queixa de roubo com retenção de vítima. Os três detidos acabaram confessando o seqüestrado e levaram os policiais até o cativeiro, onde outros três criminosos foram detidos. Um conseguiu fugir. Na casa, pertencente a um dos bandidos, o professor foi mantido o tempo todo com mãos e pés desatados e não teria sofrido agressão física. Segundo os policiais, nenhuma arma foi encontrada com os seqüestradores. Quatro dos detidos foram identificados como Ronaldo Santos Silva, Emerson de Abreu Araújo, ambos de 20 anos, Esaú José Ferreira Dantas, 24 anos, e Lucimeire Rodrigues, de 25 anos, além do menor, W.S., de 17 anos.

Agencia Estado,

17 Abril 2007 | 04h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.