Polícia liberta professora de cativeiro em SP

Uma professora de 43 anos, seqüestrada na terça-feira, foi libertada do cativeiro na manhã de domingo por policiais militares do 27º BPMM. Ela estava acorrentada a uma cama, no barraco de número 8 da Rua Vento e Ramagens, no Jardim Oriental, no bairro de Parelheiros, zona sul da capital paulista. O dono do barraco foi levado com a vítima para a DAS (Divisão Anti-Seqüestro) da Polícia Civil. Com base no interrogatório do homem detido a polícia espera identificar e prender os integrantes da quadrilha.Esposa de um microempresário, a vítima estava, no dia do seqüestro, na companhia do marido e do filho, saindo de sua residência, no mesmo bairro, para trabalhar Foi quando o Santana em que se encontravam foi cercado por dois criminosos armados. Obrigando pai e filho a descer os seqüestradores partiram com o carro da família, em disparada, levando a professora. O microempresário acionou a DAS que, desde então, vinha investigando para localizar a vítima. O veículo foi encontrado, no mesmo dia, não muito distante de onde ocorreu o seqüestro. InvestigaçãoPor um telefonema anônimo, policiais do 27º BPMM foram informados sobre o local do cativeiro. Por volta das 10h30 de domingo várias guarnições daquele batalhão foram enviadas ao local. Quando entraram no barraco, que não tinha luz, encontraram a professora acorrentada ao pé de uma cama, sem ninguém vigiando. Indagando na vizinhança descobriram o morador do barraco, que negou ter envolvimento com o seqüestro. Afirmou ter sido obrigado pelos criminosos a deixar o barraco. Mesmo assim foi encaminhado à DAS, pois pode ter informações que os identifique. A vítima também esteve lá, mas foi encaminhada a um hospital. Depois de medicada, a vítima foi encaminhada à sua residência. Nos próximos dias deverá retornar para prestar depoimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.