Polícia mata quatro; interior vira foco de ataques

Edifícios de prefeituras, delegacias de polícia e até uma sede da Receita Federal foram atacados entre a noite de segunda e a madrugada desta terça-feira, 8. Mas, a maioria dos focos de atentados ficou concentrado no interior e Região Metropolitana. No entanto, nas zonas sul e leste da capital, o serviço de transporte ficou prejudicado, com muitos passageiros esperando os coletivos nos pontos. Um total de dez ônibus foram incendiados - quatro na capital, dois na Grande São Paulo e quatro no interior. Quatro pessoas foram mortas - três em confronto com policiais e Guarda Municipal em Cotia e um em Diadema, na Grande São Paulo.Três ônibus foram incendiados na zona sul da capital entre as 22h30 de segunda-feira e 0h30 desta terça. Dois coletivos da linha Itaim Bibi/Jardim Guacuri, que estavam parados no ponto final, na região do Jardim Miriam, foram atacados por quatro homens que chegaram em um veículo e ordenaram que motorista e cobrador descessem. Outro coletivo foi alvo de incendiários no Itaim-Bibi.Na zona oeste, um ônibus que fazia a linha Vila Zatti/Itaim-Bibi foi cercado por um grupo às 22h30 de segunda-feira na região de Pirituba. Segundo as vítimas, passageiros, cobrador e motorista conseguiram descer a tempo de não serem atingidos pelas chamas que destruíram por completo o coletivo. Os incendiários conseguiram fugir.Segundo informações da São Paulo Transportes (SPTrans), às 5h45 desta manhã a Viação Transcooper, que possui três garagens, decidiu liberar os microônibus da garagem localizada no Tremembé, zona norte da capital. Assim, apenas uma garagem, a da Viação Nova Aliança, em Cidade Tiradentes, na zona leste, seguia fechada na cidade de São Paulo. No entanto, era visível, nas avenidas Santo Amaro e Giovani Gronchi, na zona sul da cidade, o grande número de pessoas esperando ônibus nos pontos. Grande São PauloA cidade de Cotia foi alvo de três ataques nesta segunda-feira. Um coletivo da Viação Danúbio Azul foi incendiado na região central da cidade; um artefato explosivo foi jogado contra uma agência da Nossa Caixa próximo à Prefeitura, também no centro; e um posto de gasolina foi atacado. Em uma das ações, uma equipe da Guarda Municipal da cidade teria trocado tiros com os suspeitos. Um deles morreu e os outros dois foram presos. No início da madrugada desta terça, após disparar vários tiros e lançar um coquetel molotov contra o prédio do Centro Municipal Bancário, no centro de Cotia, dois suspeitos, em uma moto, foram perseguidos por equipes da Rota e teriam trocado tiros com a Polícia Militar. Os acusados, Celso Alves da Silva e Fábio Santana de Souza, que cumprem pena em regime semi-aberto em Franco da Rocha, deveriam ter retornado para a carceragem às 19h30 da segunda, mas resolveram atacar o prédio e foram mortos no confronto com a PM.Em Ferraz de Vasconcelos, homens armados, ocupando dois veículos, metralharam, no início da madrugada, uma base da 3ª Companhia do 32º Batalhão da Polícia Militar no bairro de São Francisco. Ninguém ficou ferido. Por volta das 20 horas, um homem foi abordado pelos policiais na Avenida Cupecê, próximo à divisa com Diadema, e teria trocado com os policiais que faziam patrulhamento preventivo contra os ataques coordenados pela facção que controla o sistema carcerário paulista. Ele foi baleado e morreu. O caso foi registrado no 98º Distrito Policial. Um ônibus foi destruído por criminosos em Embu-Guaçu, também na Grande São Paulo. Em Itapecerica da Serra, um coletivo da Viação Soamin foi destruído, por volta das 22h30 de segunda, no Jardim Cinira.InteriorEm Limeira, homens armados atacaram na noite de segunda uma delegacia, o prédio de um jornal e o prédio da Receita na cidade. De acordo com a Polícia Militar, eram 20h30 quando os criminosos atiraram contra o prédio da Receita Federal. Minutos depois, a fachada da TV Jornal de Limeira foi atingida por tiros. Meia hora depois, a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) foi alvo de atiradores também. Nas três ocorrências não houve feridos e ninguém foi preso.Em Campinas, a fachada do 11º Distrito Policial, no Jardim Ipaussurama foi atacada a tiros. A delegacia ficou fechada a partir das 20 horas. Já em Indaiatuba, ocupantes de um veículo Monza branco lançaram um coquetel molotov, por volta das 21 horas, contra um caixa eletrônico do Banco Itaú, ao lado de um posto de gasolina, no Jardim Morada do Sol. Minutos depois, a sede do Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), no centro da cidade, e uma viatura da Polícia Militar foram atingidas por tiros. Não houve feridos e ninguém foi preso.Em Sumaré, na região de Campinas, à 1h20, incendiários lançaram um coquetel molotov contra o prédio da Câmara Municipal. Não houve feridos. Os bombeiros tiveram de ser acionados para conter o incêndio. Quatro homens encapuzados, a pé, atearam fogo em um ônibus da Viação Boa Vista, por volta das 22 horas, em Hortolândia, também na região de Campinas. Segundo a polícia, os criminosos obrigaram todos a descer do ônibus e jogaram um coquetel molotov. Não houve feridos nem presos.Meia hora depois, homens, em três veículos, pararam em frente ao 2º Distrito Policial e dispararam vários tiros. A delegacia estava fechada no momento do ataque. Vinte minutos mais tarde, a casa de um guarda municipal foi alvo de atiradores. No momento do ataque apenas a mulher do guarda municipal estava em casa. Homens em uma moto metralharam as portas de vidro de uma agência bancária do Unibanco na região central da cidade. Em Piracicaba, incendiários queimaram um ônibus às 22 horas, no Jardim Itapuã. Os passageiros tiveram de descer do coletivo assim que os bandidos o invadiram. Os suspeitos fugiram a pé. No final da noite, uma base fixa da Guarda civil Municipal foi alvo de atiradores. De acordo com informações da polícia, dois homens em uma moto pararam em frente à base, na Paulicéia, e começaram a disparar. Não houve feridos.A fachada do 11º Distrito Policial de Sorocaba foi atingida por disparos feitos por dois desconhecidos, em uma moto, por volta das 21 horas. Dois tiros atingiram a frente do prédio, que também estava fechado. Ninguém ficou ferido nem foi preso.Na madrugada desta terça-feira, quatro ataques foram registrados na cidade de Araraquara, a 240 quilômetros da capital, região central do Estado. Por volta da 0h30, um homem armado atirou na porta do antigo prédio do Fórum da Infância e Juventude, que está desativado. Os vidros ficaram estilhaçados. Vinte minutos depois, um coquetel molotov destruiu parcialmente a agência do Banco Brasil na Alameda Paulista. Ninguém foi preso. Às 4 da manhã, três homens armados invadiram um ônibus circular da cidade conhecido como Corujão e efetuaram cinco disparos, ordenando que todos os passageiros e motorista descessem. O coletivo foi incendiado em seguida e os suspeitos fugiram em um veículo Gol branco. Meia hora antes, a casa de um sargento da Polícia Militar havia sido alvo de disparos. Três tiros acertaram a frente do imóvel, mas ninguém se feriu.Por volta da 1h30 desta madrugada, coquetel molotov foi lançado contra o departamento pessoal da sede da Prefeitura de Miguelópolis, a 460 quilômetros da capital paulista. Apenas o vigia estava no local. O bando entrou pelos fundos e jogou o artefato pela janela da sala. O fogo se alastrou rapidamente e destruiu todo o setor. Ninguém ficou ferido. O mesmo grupo também lançou um artefato no prédio da Igreja Internacional da Graça de Deus, próximo à Prefeitura. As janelas ficaram estilhaçadas e as paredes, chamuscadas. Como a cidade não possui Corpo de Bombeiros, os incêndios foram controlados pelo caminhão-pipa da prefeitura e de uma usina da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.