Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Polícia Militar transmite imagens da ocupação em tempo real para quartel e Secretaria de Segurança Pública

Equipamento se chama Live U e atualmente está em fase de testes; ele é usado pela segunda vez

Marcelo Gomes,

03 Março 2013 | 09h16

 Policiais militares do Batalhão de Choque utilizaram um equipamento chamado Live U, apelidado de 'mochilink', para filmar a ocupação das favelas do Complexo do Caju e transmitir as imagens em tempo real para quatro locais: uma van da PM estacionada dentro da comunidade Parque Boa Esperança, o Comando de Operações Especiais (COE) da PM, o Quartel-General da PM, e a Secretaria de Segurança.

O capitão Lima Ramos, do Choque, disse que o 'mochilink' está em fase de testes. "Esta é a segunda vez que usamos o equipamento. A primeira foi na ocupação de Manguinhos e do Jacarezinho, em outubro do ano passado", explicou o oficial.

Os 14 blindados da Marinha que invadiram o Complexo do Caju às 5h deixaram a região cerca de 1h30 depois. As favelas, agora, estão ocupadas apenas pela Polícia Militar, que está à procura de foragidos da Justiça, armas e drogas.

Até as 8h30 os PMs do Choque apreenderam cem vidros de cheirinho da loló, munição de submetralhadora 9mm e pistola 45, uma espada, uma réplica de espingarda feita com canos de PVC amarrados com fita adesiva, sete radiotransmissores e cadernos com a contabilidade do tráfico.

Dezenas de garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) estão na favela Parque Boa Esperança, a mais populosa do Caju, com 5 mil moradores, retirando montanhas de lixo acumuladas e varrendo vielas. O bairro do Caju possui aproximadamente 20 mil habitantes, segundo o censo 2010.

Mais conteúdo sobre:
favelaocupaçãoRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.