Polícia não considera solucionada morte de Schincariol

Uma semana após o crime, a Polícia Civil considerava não totalmente esclarecido até a noite de ontem (25) o assassinato do empresário José Nelson Schincariol, dono da cervejaria Schincariol, baleado três vezes na noite de segunda-feira passada, quando chegava em casa, no centro de Itu. A única pessoa presa sob suspeita de participação no crime era, até ontem, o garçon Valdinei Sabino da Silva, de 25 anos. Ele foi reconhecido por uma testemunha quando fugia do local na companhia de outro homem. O segundo suspeito, que estaria com a arma do crime, ainda não foi localizado. A polícia teve informações de que ele deixara a cidade rumo a um Estado do Nordeste. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo, que assumiu as investigações, obteve a decretação de segredo de justiça sobre o caso. Segundo policiais de Itu, além da tentativa de assalto com provável reação da vítima, outras hipóteses para o crime estão sendo investigadas, entre elas a de vingança. A viúva do empresário e os filhos já foram ouvidos, mas os depoimentos são mantidos em sigilo.Eles continuam em casa de parentes. A casa onde ocorreu o crime está vazia, sendo vigiada apenas por um segurança.Segundo informações, os familiares de Schincariol também passaram a contar com segurança pessoal.Assustados com a morte do industrial, outros empresários da região adotaram medidas adicionais de prevenção. Dois deles adquiriram veículos blindados e só transitam com escolta. Eles passaram a evitar exposição pública e itinerários fixos. Há informações de que quadrilhas ligadas ao crime organizado estão atuando na região. Os criminosos teriam sido responsáveispelos recentes assaltos contra famílias de um empresário do agronegócio e de um tradicional comerciante em Laranjal Paulista.Também estariam ligadas à morte do comerciante Antenor Frizzo, há um ano, em Boituva. Coincidentemente, Frizzo foi mortoem circunstâncias semelhantes à de Schincariol: supostos ladrões o abordaram na garagem de casa, quando guardava o carro, eo mataram com três tiros, fugindo sem nada levar. O crime ainda não foi esclarecido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.