Polícia não tem pistas de assassinos de neto de Garrincha

O corpo de Alexsandro Alves dos Santos, de 21 anos, neto do ex-jogador Garrincha, foi encontrado no último domingo pela polícia num terreno abandonado do bairro de Santa Lúcia, em Magé, na Baixada Fluminense.Desaparecido desde sexta-feira, ele teria sido morto a pauladas. A tia de Alexsandro, Maria Cecília dos Santos Cardoso, que nesta quarta-feira foi ao enterro, disse que ele trabalhava como pedreiro e morava em Pau Grande, onde Garrincha nasceu. Segundo ela, o corpo do rapaz tinha marcas de violência, indicando que ele possivelmente tenha sido torturado.Alexsandro havia saído de casa por volta do meio-dia de sexta-feira, de bicicleta. ?Que eu saiba, o meu sobrinho não tinha ligação com bandidos, era trabalhador. Talvez tenha sido um assalto, não dá para ter certeza. Só sei que fizeram muita maldade com ele?, disse Maria Cecília.O corpo foi identificado somente nesta terça-feira, e a polícia não tem informações que possam esclarecer o caso, registrado na 62ª DP. Alexsandro era filho de Terezinha Marques dos Santos. Foi enterrado nesta quarta-feira à tarde, no cemitério municipal de Piabetá, em Magé.Um dos maiores craques que o País já teve, Garrincha - campeão do mundo em 1958 e 1962 - teve uma vida conturbada. Morreu alcoólatra e pobre, em 1983, aos 49 anos. No meio da década de 90, as filhas do jogador entraram na Justiça para tentar impedir a venda de sua biografia, ?Estrela Solitária? (Companhia das Letras), escrita pelo jornalista e escritor Ruy Castro.Condenado em primeira instância, o autor acabou recebendo recebeu decisão favorável da Justiça. Na ação, elas alegavam que ele teria deixado de lado a imagem do jogador para explorar seus problemas com o alcoolismo, e consideravam ofensivo o capítulo "A Máquina de Fazer Sexo". O desembargador, porém, não reconheceu o pedido de indenização por danos morais feito pelas herdeiras, usando como argumento que o tamanho do pênis do jogador citado no livro (25 centímetros) deveria ser motivo de orgulho para a família, e não de ofensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.