Polícia ouvirá bombeiros sobre vistoria em teatro

Delegado pretende confrontar análise da corporação com as imagens de falhas notadas por estudante da USP; laudo do IC não aponta culpados

Renato Machado e Rodrigo Brancatelli, O Estadao de S.Paulo

11 de setembro de 2008 | 00h00

O delegado titular do 4º Distrito Policial de São Paulo, Roberto Naves, responsável pelo inquérito que apura as causas do incêndio que destruiu o Teatro Cultura Artística, vai chamar o Corpo de Bombeiros para depor. A intenção é confrontar a vistoria feita pela corporação e as fotos tiradas no dia 29 de maio por um arquiteto do curso de especialização da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP). Nelas, é possível ver fios expostos na Sala Esther Mesquita (justamente onde começou o incêndio), ferrugem nas soldas da caixa de disjuntores, madeira desgastada e muito pó. Naves quer saber se os bombeiros reconhecem aquela situação e entender por que nada de errado foi apontado na vistoria feita um mês antes da tragédia."No laudo dos bombeiros está escrito apenas ?vistoria realizada? e a assinatura do responsável. Queremos esclarecer o que foi encontrado lá na realidade e ver se os bombeiros reconhecem aquela situação mostrada nas fotos", diz Naves, que recebeu ontem o laudo do Instituto de Criminalística (IC). O documento é inconclusivo e não aponta culpados. Em menos de dez páginas, os peritos Antônio Lazaro e Ivo Valentini apontam três hipóteses para o início do fogo: um fenômeno termoelétrico (que pode ser provocado por um superaquecimento do sistema de iluminação ou da fiação elétrica), uma causa externa de combustão (como um cigarro) ou uma centelha causada pelo atrito das cordas com as roldanas do palco.O laudo - que é ilustrado por cerca de 40 fotos tiradas no local pelos peritos e pelas imagens feitas pelo arquiteto do curso de especialização da USP - descarta que a tragédia possa ter sido causada por um curto-circuito ou ação criminosa, embora essa última suposição ainda possa ser investigada pela polícia. Os peritos apontam que o fogo se propagou pelo lado esquerdo do palco, por causa da baixa umidade e da grande quantidade de material inflamável existente ali, como panos e madeira. Peritos do IC ouvidos pelo Estado afirmaram que as condições de conservação do teatro foram preponderantes para que o fogo tomasse proporções de tragédia - o próprio laudo fala em "adaptações" feitas na estrutura e falta de equipamentos, incluindo sprinklers (chuveiros automáticos). A Sociedade de Cultura Artística não quis se manifestar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.