Polícia pede prisão preventiva de PMs envolvidos no caso Juan

Garoto teria morrido durante uma troca de tiros entre policiais e traficantes em junho, no Rio

Marcela Bourroul Gonsalves, estadão.com.br

14 Setembro 2011 | 16h03

SÃO PAULO - A Polícia Civil concluiu o inquérito do caso Juan e pediu a prisão preventiva dos quatro policiais militares suspeitos de envolvimento no crime. O documento foi encaminhado para a Justiça nesta segunda-feira, 12. Como o processo corre em segredo de justiça, a assessoria do órgão não soube informar se as prisões foram decretadas.

Juan Moraes, de 11 anos, foi assassinado na comunidade Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ele teria morrido durante uma troca de tiros entre policiais e traficantes no dia 20 de junho.

Os sargentos Isaías Souza do Carmo e Ubirani Soares, e os cabos Rubens da Silva e Edilberto Barros do Nascimento já estão presos temporariamente. No final de agosto, a Justiça do Rio prorrogou por mais 30 dias as prisões temporárias.

Dias depois da morte de Juan, uma ossada foi encontrada a 2 km do local do crime, mas a perícia atestou que os restos mortais eram de uma menina. Outro exame foi feito e foi constatado que o corpo era realmente de Juan.

Mais conteúdo sobre:
Juan Polícia Civil PMs prisão preventiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.