Polícia pedirá prisão preventiva do acusado de matar inglesa

Nesta terça, amigo que emprestou carro para Mohammed desovar corpo prestou depoimento à polícia de Goiás

O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2008 | 19h54

Polícia de Goiás vai pedir a prisão preventiva do goiano Mohammed D'Ali Carvalho dos Santos, 20 anos, acusado de matar e esquartejar o corpo da inglesa Cara Marie Burke, de 17 anos, na semana passada. O pedido deverá ser feito nos próximos dias. Atualmente, Mohammed está preso na Delegacia em regime de prisão provisória, com prazo de validade de 30 dias.   Como a polícia já ouviu inúmeras testemunhas, colheu provas do crime, está convencida da autoria ao corpo foi localizado, o Inquérito Policial será remetido ao Judiciário e Mohammed D'Ali ficará à disposição da Justiça na Casa de Prisão Provisória (CPP), em Aparecida de Goiânia.   Nesta terça-feira, a polícia ouviu uma testemunha-chave do caso. Cristiano Cardoso da Silva, de 27 anos, que cedeu o carro branco com placas de Aparecida de Goiânia para Mohammed D'Ali transportar o tronco da inglesa e lança-lo às margens do Rio Meia Ponte, em Goiânia, a cabeça e os membros inferiores e superiores nas águas do Ribeirão Sozinha, em Bonfinópolis (GO).   Ele estava morando em Crixás, ao norte do Estado. Na casa do pai dele foi localizado pela Polícia. Durante seus depoimentos, Mohammed apontou Cristiano como sendo "Jorginho", o dono de um Monza. "O Cristiano, confirmou algumas informações sobre o caso", disse o delegado Ailton Ligório, que colheu o depoimento do rapaz.   O carro Classic Life é financiado e está em nome do Banco GMAC, com endereço no Jardim Nova Era, em Aparecida de Goiânia. Quando apreendido pela polícia, trazia no porta-malas peças velhas e um par de sandálias pretas de salto alto.   No depoimento, Cristiano Cardoso da Silva se disse amigo de Mohammed de longa data. Os dois mantinham contato pela internet, enquanto ele morava no Pará e Mohammed em Londres. Depois se encontraram em Goiânia, onde passaram a morar. "Ele tratava a Cara Marie por "Trombadinha" e me contou que ela tinha vindo para Goiânia para se casar com ele, para ter livre entrada no País", afirmou Cristiano.   Disse ainda que Mohammed estava endividado porque fazia uso de "muita droga". "Ele me disse que tinha matado a 'trombadinha'. Depois, por telefone, ele a convidou para ir ao apartamento para conversarem. Ela chegou, ficou sentada no sofá da sala comendo bolacha, depois começaram a discutir; ele foi à cozinha, tapou a boca da Cara ... e enfiou nas costas dela".

Mais conteúdo sobre:
esquertejamento Cara Marie Goiânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.