Polícia pedirá quebra de sigilo do padre Júlio

Preso, denunciado por extorsão acusa Lancellotti de pedofilia e de lhe ter dado mais de R$ 500 mil, espontaneamente

O Estadao de S.Paulo

28 Outubro 2007 | 00h00

A polícia pedirá na segunda-feira a quebra do sigilo bancário do padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Menor de São Paulo. A medida foi divulgada ontem, no anúncio da prisão de três acusados de extorquir dinheiro do padre. Anderson Marcos Batista, de 25 anos, Evandro dos Santos Guimarães, de 28, e Conceição Eletério, de 44, estavam escondidos num apartamento na Rua Riachuelo, centro. Em depoimento à polícia, Batista negou a extorsão. Disse que mantinha relações sexuais com o religioso desde os 16 anos e afirmou que o padre lhe dava dinheiro espontaneamente. Segundo o advogado de Batista, Nelson Bernardo da Costa, o primeiro contato de seu cliente com o padre ocorreu há oito anos, quando o rapaz era interno na Febem (atual Fundação Casa) - ele cumpriu medida socioeducativa por um roubo cometido em Guararapes (SP). ''''O Anderson vem de uma família humilde e começou a gostar da forma fácil como o dinheiro vinha'''', disse Costa, que também defende Conceição, casada com seu cliente. O advogado afirmou que, em oito anos de convivência, Lancellotti deu dinheiro e presentes a Batista. Costa se contradisse sobre o valor que seu cliente teria recebido. Primeiro disse que o padre deu entre R$ 700 mil e R$ 800 mil. Depois, que eram R$ 500 mil a R$ 600 mil. O delegado André Pimentel, responsável pelas investigações, afirmou que, para a polícia, o padre continuará sendo tratado como vítima de extorsão. ''''Todas as informações fornecidas pelos acusados serão checadas, mas, por enquanto, elas são apenas matéria de defesa'''', disse. ''''Seria leviano dizer que o conteúdo dos depoimentos é verdadeiro.'''' O ex-deputado e advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, defensor do padre, desqualificou as acusações. ''''São declarações do advogado de um cliente que é violento, tem mais de dez inquéritos, cinco sobre extorsões. Temos de sopesar se vamos dar guarida à palavra de um bandido ou à palavra do padre. Quero que se estabeleça a presunção de inocência do padre, que denunciou a armação.'''' No fim de setembro, o sacerdote procurou a polícia para dizer que estava sendo extorquido por Batista. Contou que deu ao grupo R$ 80 mil, porque Batista ameaçou denunciar que ele abusara de uma criança de 8 anos, filha de Conceição. BRUNO TAVARES, CAMILLA HADDAD, RODRIGO PEREIRA E CHARLIZE MORAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.