Polícia poderá ouvir Fernanda, outra amante de Bruno

Ela teria tido contato com o ex-goleiro durante o suposto assassinato de Eliza Samudio; cães da casa de 'Bola' poderão passar por perícia

Eduardo Kattah, de O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2010 | 12h37

SÃO PAULO - A delegada Ana Maria Santos, chefe da Delegacia de Homicídios de Contagem, em Minas, onde está o inquérito do caso Eliza Samudio, admitiu na manhã desta terça-feira, 13, que a Polícia Civil mineira poderá ouvir Fernanda Gomes de Castro, de 32 anos, a mais nova personagem do caso, que seria amante do goleiro Bruno e teria tido contato com ele durante o suposto crime.

 

Veja também:

linkGoleiro passa mal na cadeia em Minas

linkPrimos de Bruno vão fazer acareação

link'Será difícil falar que o pai matou a mãe'

linkSuspeito de matar Eliza só vai falar em juízo, diz advogado

especialCronologia do caso

 

De acordo com a delegada, o nome de Fernanda já foi citado em alguns depoimentos e a Polícia Civil carioca estaria apurando a participação dela no suposto sequestro de Eliza. "A polícia do Rio está investigando essa situação e, assim que for o caso, estaremos buscando por ela para prestar depoimento".

 

Ainda segundo a delegada, a polícia aguarda a transferência do adolescente J. para Belo Horizonte. Ela disse que os delegados responsáveis pelo inquérito ficaram sabendo dessa autorização judicial de transferência do menor por meio da imprensa noite de segunda-feira, 12.

 

Ana Maria ressaltou que a família de J. procurou a polícia e formalizou o interesse de que o menor fique internado na capital mineira. Ela admitiu uma acareação entre J. e o outro primo de Bruno, Sergio Camelo, suspeito de envolvimento na morte, que também cumpre prisão temporária.

 

PERÍCIA

Mais cedo, o veterinário Fernando Pinto Pinheiro compareceu ao Departamento de Investigação para conversar com o delegado Edson Moreira sobre uma possível perícia nos cães. O veterinário ressaltou que é possível que os cães tenham sido usados para esse suposto desaparecimento dos restos mortais de Eliza, conforme o depoimento. "Com certeza o cão é um carnívoro e jamais recusa carne, seja de qual animal for", disse Pinheiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.