Polícia prende 21 por golpe que utilizava telefones do governo

Uma análise sobre os gastos crescentes pelo uso de telefones celulares exclusivos do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, resultou na descoberta de um novo golpe. Comerciantes, estudantes, além de funcionários de uma loja de celular, estavam utilizando os telefones e o governo pagando a conta todos os meses. "Os golpistas não são funcionários públicos", garante o relações públicas da Polícia Civil, delegado Fernando Paciello. Depois de 40 dias de investigações sobre a ação dos estelionatários, investigadores de dez delegacias policiais, conseguiram prender 21 pessoas com celulares de linhas exclusivas do Estado. "Esse grupo gastou durante o primeiro semestre deste ano, mais de R$ 500 mil, com ligações desses telefones", ressaltou Paciello, esclarecendo que "isso é apenas o início das investigações. A coisa é bem maior do que imaginamos". Pelo menos um estabelecimento do gênero está envolvido no golpe. Foi apreendido na loja, situada no centro de Campo Grande, um computador, considerado a peça-chave das investigações. É onde está a relação das 21 linhas utilizadas pelos acusados. Segundo a polícia, eles não se conhecem, observação que indica a existência de outras quadrilhas agindo da mesma forma. Até o final da tarde, a quantidade de linhas privativas do Governo do Estado, utilizadas por terceiros ainda não havia sido apurada. Foi descoberto que o desbloqueio da linha é feito através de lojas especializadas na venda de celulares. Falta confirmar informações de que os comerciantes recebiam altos valores na venda de celulares "com linha permanentemente de graça". "Até o final desta semana esclareceremos todos os detalhes desse novo golpe", disse Paciello.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.