Polícia prende 22 em laboratório de refino de cocaína em Salvador

Policiais do Departamento de Tóxicos e Entorpecentes (DTE) da Secretaria de Segurança Pública da Bahia localizaram na manhã desta quinta-feira um "laboratório" de refino de cocaína na favela Baixa do Soronha, no bairro de Itapuã, em Salvador. Vinte e duas pessoas foram presas. No local, com ampla vista para toda a favela, onde funcionava uma espécie de "quartel-general" do traficante conhecido como Leno, os policiais apreenderam seis quilos de cocaína, certa quantidade de crack e maconha. Também encontraram equipamento para refino da cocaína, balanças, revólveres, maços de cédulas de real, dólar e euro. A equipe do delegado Cleandro Pimenta, da DTE, investigava a atuação da quadrilha desde dezembro, utilizando escutas telefônicas autorizadas pela Justiça. Fora o tráfico de um grande volume de drogas, a quadrilha também atuava em assaltos a edifícios de luxo da cidade como a Mansão Pedro Calmon (no fim de janeiro) e o Pedra do Parque (em dezembro). Várias viaturas e um helicóptero foram usadas pelos policiais para montar o cerco que resultou na invasão do quartel-general de Leno. Ele conseguiu escapar. Na operação, trinta pessoas foram presas inicialmente, mas após triagem, 22 foram levadas para a delegacia. Leno é considerado pela polícia baiana o maior traficante de Itapuã e também acusado de corromper policiais.

Agencia Estado,

16 Fevereiro 2006 | 18h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.