Polícia prende 27 suspeitos de envolvimento com onda de ataques em SC

Detidos estão envolvidos em 22 crimes ocorridos entre as 18h de terça-feira e as 6h desta quarta-feira

14 Novembro 2012 | 14h04

SÃO PAULO - A polícia de Santa Catarina prendeu 27 suspeitos, entre eles 12 adolescentes, envolvidos em ataques em diversas cidades do Estado ocorridos desde a noite de terça-feira. Vinte e dois crimes, como incêndios a ônibus, atentados a uma delegacia e a um presídio, ocorreram entre as 18h de terça, 13, e as 6h desta quarta-feira, 14. A Diretoria de Informação e Inteligência (Dini) da Secretaria de Segurança Pública havia informado, inicialmente, que eram 36 detidos, mas corrigiu o número para 27.

Os casos aconteceram nos municípios de Florianópolis, Criciúma, Itajaí Palhoça, Blumenau, Camboriú e Navegantes. Em Itajaí, nove homens, sendo três adolescentes, foram presos em duas casas da Cidade Nova com um revólver calibre 38 de numeração raspada, coquetéis molotov, gasolina, estopas e drogas. Em Florianópolis, 10 jovens foram detidos escondidos na creche Comunidade ilha Continente -  eles também portavam drogas. As demais prisões ocorreram em Palhoça, e Blumenau.

Desde a noite de ontem, a polícia realiza blitze em áreas críticas que tiveram registro de ataques no Estado. A Polícia Civil, segundo a Secretaria de Segurança Pública,  também trabalha em regime de plantão.

Em nota emitida nesta quarta-feira,  o secretaria de segurança pública de Santa Catariana, César Augusto Grubba, disse não se poder afirmar a motivação dos ataques e afirmou que todas as forças de segurança do Estado foram mobilizadas. “Estamos muito atentos e preparados, trocando informações entre uma rede integrada de inteligência policial que contempla outros segmentos da Segurança Pública, como Ministério Público, poder Judiciário, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Exército e outros. Não há motivo para qualquer especulação a respeito desses casos".
 

Mais conteúdo sobre:
SANTA CATARINA ataques prende

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.