Polícia prende 33 em ação contra esquadrão da morte em PE

Entre presos estão dois policiais militares e quatro guardas municipais de Ribeirão, no interior do Estado

Angela Lacerda, de O Estado de S.Paulo,

15 de abril de 2008 | 15h20

Deflagrada pela polícia civil de Pernambuco, a Operação Dragagem prendeu nesta terça-feira, 15, 33 pessoas suspeitas de integrar um grupo de extermínio com atuação na Zona da Mata sul, a partir do município de Ribeirão, a 87 quilômetros do Recife. A Zona da Mata sul, área ocupada principalmente pela agricultura da cana-de-açúcar, foi apontada pelo Mapa da Violência - traçado pelo governo do Estado - como a região onde o número de homicídios mais cresceu em Pernambuco em 2007, em relação a 2006: 25,9%.   Um dos Estados mais violentos do País, Pernambuco como um todo registrou queda de 1% no número de homicídios no ano passado, em relação a 2006. A Operação Dragagem faz parte da estratégia do governo estadual que visa a reduzir a incidência de homicídios traçada a partir do Pacto Pela Vida, o plano estadual de segurança.   De acordo com o delegado Joel Venâncio, gestor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que coordenou a operação, o grupo é acusado de 18 homicídios - crimes por encomenda, pistolagem e proteção a traficantes de drogas - praticados desde outubro do ano passado. O grupo pode ser autor também de outros 15 assassinatos que estão sendo investigados.   Entre os presos estão dois policiais militares lotados no 10º Batalhão, do município de Palmares, e quatro guardas municipais de Ribeirão. Os guardas municipais são apontados como os líderes da quadrilha.   A operação cumpriu 32 de 33 mandados de prisão temporária expedidos pela Vara Única da Comarca de Ribeirão. Somente em Ribeirão foram presas 22 pessoas. Um está foragido. Um outro homem, que não era alvo da operação, foi preso durante cumprimento de um mandado de busca e apreensão na Charneca, distrito do Cabo de Santo Agostinho.   Ele trocou tiros com os policiais, foi baleado no tórax e braço e está internado, sem previsão de alta no Hospital Getúlio Vargas, no Recife. Todos ficarão detidos na sede do Grupo de Operações Especiais (GOE) até a conclusão do inquérito, em 30 dias. Nos 34 mandados de busca e apreensão cumpridos, foram recolhidos quatro revólveres, três pistolas e três espingardas.   A operação, que contou com o apoio da Polícia Militar, envolveu 290 policiais, entre civis e militares, que tiveram o suporte de um helicóptero. Os mandados foram cumpridos em oito cidades: Ribeirão, Escada, Gameleira, Rio Formoso, Água Preta, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes e Recife.   Texto atualizado às 17h30 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.