Polícia Civil
Polícia Civil

Polícia apreende 4 adolescentes acusadas de torturar garota

Vítima ainda foi obrigada a abrir a própria cova no quintal da casa onde foi mantida refém

Rubens Santos, especial para O Estado

04 Outubro 2016 | 14h33

GOIÂNIA - A Polícia de Goiás apreendeu nesta segunda-feira, 3, quatro adolescentes acusadas de torturar com pauladas, socos e facadas uma outra adolescente, que ainda foi obrigada a abrir a própria cova no quintal da casa onde foi mantida refém. Um vídeo mostra em detalhes a vítima, supostamente interessada no namorado de uma das agressoras, amarrada, com as mãos para atrás, e jogada numa cova rasa. A tortura durou cerca de quatro horas.

O ato de violência aconteceu em Trindade, município da região metropolitana de Goiânia, no final da semana. “Nunca vi nada igual”, disse ao Estado a delegada Renata Vieira, titular da Delegacia da Mulher (DEAM), em Trindade (GO).

De acordo com a policial, as menores A., de 13 anos; N., de 16; E., de 14; e K., de 16 anos, são vizinhas, amigas e estudam na mesma escola. Elas queriam se vingar da vítima, alegando que a menor, chamada de “loira”, teria "dado em cima" do namorado de uma delas. Para isso, arquitetaram um plano para atrair, manter cativa e matar a rival.  

A menor agredida ficou com marcas por todo o corpo. Ela foi atraída ao cativeiro por sua melhor amiga, para uma festa. A partir daí, além de ser mantida presa, foi esfaqueada no braço, sofreu diversas agressões e teve o aparelho ortodôntico arrancado da boca com uma faca.

“A menor teria sido atacada por ciúmes e tem marcas por todo o corpo”, revelou a delegada, policial há oito anos. “Impressiona a frieza dos relatos”, diz. Renata Vieira também revelou que a motivação do crime (ciúme), alegada pelo bando, não convenceu: “Dei voz de prisão a todas”, ressaltou.

O processo chocou até a Justiça. “A gente observa a frieza das confissões e a crueldade dos atos praticados”, disse a juíza Karine Unes Spinelli Bastos, da 1ª Vara Cível, da Infância e da Juventude, em Trindade.

Agora, as adolescentes aguardam vaga em Centro de Internação, na capital, Goiânia, ou em Formosa, região do Entorno de Goiás com o DF, o que deverá ocorrer ainda nesta terça-feira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.