Polícia prende acusados de 17 seqüestros

A polícia prendeu dois homens acusados de participar de uma quadrilha que fez 17 seqüestros em São Paulo no ano passado. O grupo arrecadou R$ 750 mil por meio de resgates de R$ 3.300,00 a R$ 250 mil e manteve 40 pessoas em cativeiro. Nem todas as vítimas pagaram. Algumas foram libertadas pelos criminosos quando estes percebiam que a polícia havia sido avisada ou após o cativeiro ser descoberto.Dois outros acusados já haviam sido detidos em 2000. O bando sempre agia na zona sul da cidade, em Diadema e em São Bernardo do Campo. Nelson Piedade e Marcelo Henrique Garido não resistiram à prisão. Eles estavam numa casa usada como cativeiro em alguns dos crimes. Condenado por roubo, Piedade estava em liberdade condicional. Garrido estava armado e portava droga. A Delegacia Anti-Seqüestro (Deas) estava investigando a ação do grupo desde abril de 2000. Segundo o delegado Maurício Guimarães Soares, da Deas, a prisão desses homens diminuirá o número de seqüestros no Estado, pois, ao lado da família Oliveira, eles eram os responsáveis pelo maior número de casos ocorridos em 2000 em São Paulo. Entre as vítimas do bando está o empresário Ronaldo Wickbold, do ramo de alimentação. Wickbold foi um dos que não pagaram resgate, embora tivessem sido exigidos R$ 500 mil, uma vez que a polícia descobriu o cativeiro em que ele estava.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.