Polícia prende acusados de atear fogo em morador de rua em Salvador

Quatro homens atacaram sem-teto por causa de celular roubado; crime foi elucidado porque um dos criminosos foi para o hospital com queimaduras

Tiago Décimo, Agência Estado

10 de julho de 2012 | 17h45

SALVADOR, 10 - Os quatro acusados de atear fogo no sem-teto Daniel Pinto dos Santos, de 26 anos, na madrugada de sábado, no centro de Salvador, estão presos, segundo a polícia baiana. Três deles foram detidos nesta segunda-feira, 9, e o último foragido, Moisés Silva dos Santos, entregou-se na manhã desta terça-feira, 10, à polícia. Todos confessaram participação no crime. Os agentes, agora, procuram o taxista que fez o transporte do grupo.

Daniel morreu horas depois do ataque, no Hospital Geral do Estado (HGE). Segundo informações do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), ele não era o alvo da agressão dos criminosos, que procuravam por outro homem, que seria conhecido da vítima e teria roubado o celular de um dos acusados horas antes.

O grupo teria parado para perguntar a Daniel por seu colega e ele teria dito que ele havia saído do local minutos antes. Sem conseguir localizar o alvo, os homens teriam despejado gasolina sobre a vítima e ateado fogo com um isqueiro.

O crime começou a ser elucidado na segunda-feira, quando policiais localizaram, no HGE, Jadson Santos Dórea. Ele está na unidade sendo tratado por queimaduras nas pernas e no rosto, causadas durante o ataque a Daniel, e ficará sob custódia, até receber alta médica.

Dórea confessou participação no crime e apontou os outros agressores. O segundo preso, Franklin Nascimento, também está internado com queimaduras no HGE. Já Gustavo da Silva Santos - que teria planejado o crime depois de ter o celular roubado - foi detido em uma casa no bairro periférico de Cajazeiras. De acordo com a polícia, Gustavo já foi preso por tráfico de drogas.

Mais conteúdo sobre:
violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.