Polícia prende acusados de chacina

A polícia prendeu nesta quinta-feira os quatro acusados da morte de Evani da Silva, de 31 anos, e de suas filhas Samira, de 8, e Tamires, de 3, vítimas da chacina ocorrida na noite do dia 17, na Vila Suíça, em Santo André, na Grande São Paulo.Os acusados disseram ter cometido os assassinatos para vingar-se do marido de Evani, Ermano Raimundo, preso por tráfico de drogas e porte ilegal de arma. Conhecido como Neguinho, Raimundo tentou matar um amigo dos detidos. "Ele foi parar na cadeia, e como vingança acabamos com a família dele", disse William Medina Costa, de 20 anos, um dos presos, em depoimento à polícia. As vítimas dormiam quando os acusados entraram no barraco onde elas moravam. Um tiro de espingarda calibre 12 acertou Evani e Tamires, que estava no colo da mãe."Tivemos de matar a outra menina para não deixar testemunhas", disse Costa aos policiais. Autor de seqüestros relâmpagos, assassinato e assaltos, Costa foi o primeiro a ser localizado. Ele denunciou os cúmplices, Aparecido Viana da Silva, de 18, autor de assaltos, Fábio Nicodemus Molina, de 18 - ladrão que esteve diversas vezes na Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem) -, e L.N.I., de 17.Os acusados disseram aos policiais que deixaram a casa somente após ter certeza de que as três estavam mortas. "Matamos também o cachorro, que não parava de latir", afirmou Molina. A frieza do relato dos presos revoltou o delegado Fábio Bonilha Cavagioni, da Seccional de Santo André, que chefiou as investigações da chacina. "Não é possivel que exista gente como essa. Eles são cínicos, frios. Mataram e foram jantar. Disseram que não sentem remorso", comentou Cavagioni.A espingarda e os dois revólveres usados no crime foram apreendidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.