Polícia prende Batoré, fugitivo da Febem

Policiais civis e militares prenderam por volta das 20h40 deste domingo o criminoso Fábio Paulino conhecido como Batoré. Ele e outras duas pessoas estavam na lanchonete Habib?s da Avenida Itaberaba, esquina com a Avenida Inajar de Souza, no bairro da Freguesia do Ó, zona norte da capital. O trio, que não ofereceu resistência, foi enviado para o Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), na Avenida Zaki Narchi, também na zona norte. O delegado Sérgio Guarda, da 2.ª Delegacia da Divisão de Investigações sobre Roubo e Furto de Veículos e Carga (Divecar), disse que a polícia estava monitorando uma casa nas imediações de onde Batoré foi preso havia alguns dias. Ele não indicou o local da residência. Os criminosos estavam usando um Voyage no qual a polícia encontrou maconha e um revólver calibre 38. A Secretaria da Segurança Pública informou que Batoré será apresentado à imprensa ao meio-dia, em uma entrevista coletiva conduzida pelo diretor do Deic, Godofredo Bittencourt. Batoré estava foragido desde 12 de abril, quando comandou uma fuga em massa de 120 internos do Complexo de Franco da Rocha da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem). Ele e outros dois líderes da fuga, Edvaldo José de Araújo Lima, o Baianinho, de 20 anos, e Weberson de Paula Lima, de 18, o Edinho, deixaram a Febem pelo portão do complexo. Do lado de fora, o ex-interno Fábio Santos de Oliveira, de 18 anos, o Gordex, aguardava os três, num Kadett. Gordex levou os comparsas para o apartamento 31A do prédio 1.691 da Avenida Integração, na Cohab de Carapicuíba, Grande São Paulo. Depois de dormirem no apartamento, os três fugitivos foram para o litoral, onde se separaram. Edinho acabou sendo recapturado no Guarujá no dia 18 de abril, quando esperava um amigo de seu irmão, o seqüestrador Wanderson de Paula Lima, o Andinho, que devia levá-lo para São Paulo. Batoré e Baianinho voltaram para o apartamento da Cohab, no qual passaram mais dois dias. A polícia descobriu que o local tinha servido de abrigo para os fugitivos e prendeu Gordex, em 24 de abril. Batoré passou as últimas semanas circulando pela cidade. A polícia apurou que ele estava dormindo na casa de um dos rapazes presos ontem. Ainda segundo investigadores, o trio aguardava a chegada de cúmplices na lanchonete. Ficha ? Batoré é assassino confesso de 15 pessoas ? entre eles um delegado e dois investigadores. Ele foi detido em novembro de 2000, então com 17 anos, e levado a Franco da Rocha. Na sua ficha, além dos assassinatos, constam mais de 50 seqüestros relâmpagos. Batoré, que ficou 28 dias isolado no Centro de Readaptação Penitenciária (CRP) de Taubaté acusado de envolvimento em rebeliões, já passou oito vezes pela Febem. Em março, durante uma visita ao Complexo de Franco da Rocha, o governador Geraldo Alckmin conversou com Batoré durante cerca de dez minutos. Ele teria pedido ao criminoso que colaborasse para o fim das rebeliões. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) determina que o jovem infrator ganhe liberdade compulsória aos 21 anos e os delitos cometidos antes disso sejam apagados de seus antecedentes. Com a fuga de abril, Batoré perdeu esse direito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.