Polícia prende fugitivos e apreende armas e drogas em favela de SP

O secretário-adjunto da Segurança Pública do Estado de São Paulo, Marcelo Martins de Oliveira, apresentou no final da tarde desta quinta-feira os resultados daquela que ele chamou a maior operação já realizada na história da polícia de São Paulo). A mega blitz mobilizou 1.200 homens, das 6h até às 12h de hoje, na favela Pantanal, situada entre os municípios de São Paulo e Diadema. Foi nesta favela que atuava a quadrilha que sequestrou e matou o prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT).Foram vistoriados 3.871 locais, entre casas e estabelecimentos comerciais; 2.126 veículos; 2.210 antecedentes criminais foram pesquisados e abordadas 325 pessoas com antecedentes criminais. O resultado foi a prisão de 15 pessoas, a apreensão de 18 armas de fogo, seis veículos, 133 pedras de crack, 20 papelotes de cocaína e 138 pacotes de maconha.Dos 15 presos, três eram procurados pela Justiça. Os demais foram presos em flagrante por porte de armas, corrupção de menores, receptação e extorsão. As três pessoas presas por extorsão praticavam o que o secretário chamou de ?pedágio?. Cobravam quantias que variavam entre R$ 10,00 e R$ 50,00 das pessoas que viviam na favela.Foram encontrados ainda, de acordo com o diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo (Demacro), Antônio Chaves Martins Pontes, três possíveis cativeiros utilizados por quadrilhas de seqüestradores. Nos locais, foram apreendidos rádios transmissores com capacidade para atuar na freqüência privativa das polícias, documentos de eventuais vítimas e cartões de crédito.De acordo com o secretário, operações desta natureza vão se repetir com freqüência nos próximos meses. ?Havia um descompasso nas informações das polícias e por isso não tínhamos condições de realizar antes operações desta natureza?, argumentou o secretário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.