Polícia prende líder do PCC suspeito de liderar ataques

A polícia prendeu nesta quinta-feira Manoel Julio Neto, o Santista, um dos principais líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Em liberdade, o acusado era apontado como o responsável por arregimentar novos integrantes para a facção criminosa. Santista, de 42 anos, é suspeito ainda de liderar ataques à polícia em 2006 e de gerenciar parte do tráfico de drogas na Baixada Santista dominado pela organização criminosa.O acusado foi surpreendidos pelos policiais morando em um sobrado na Rua Luisa Carioba, na Grajaú, na zona sul de São Paulo. O imóvel, em uma rua de terra, ainda está em construção. "A mudança dele chegou há uma semana e ele há alguns dias", afirmou o tenente-coronel Abaré Vaz de Lima, comandante do 27º Batalhão da Polícia Militar. Os homens do batalhão contaram com a ajuda do serviço de inteligência da PM.Depois de localizada a casa, a inteligência informou o 27º Batalhão. Santista foi apanhado quando saía às 12 horas de casa. Não ofereceu resistência. Os policiais revistaram o sobrado, mas não encontraram armas ou drogas. O líder do PCC foi levado para o Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), onde ele devia ser interrogado.Segundo o delegado Ruy Ferraz Fontes, do Deic, Santista era ligado a Reginaldo Teixeira dos Santos, o Funchal, um dos acusados de participar do assassinato do juiz-corregedor de Presidente Prudente Antônio Machado Dias. Em 30 de dezembro de 2006, Santista organizou um encontro com integrantes do PCC em Araçatuba com o objetivo de rearticular a facção criminosa. O grupo reuniu-se em um bar , onde seguiria para uma chácara na cidade. Ali seria feito uma cerimônia coletiva de batismo de novos integrantes do PCC.O grupo foi surpreendido pelas PM, que deteve 33 pessoas. Santista, no entanto, conseguiu fugir. "Nós suspeitamos que ele tenha ainda participação em ataques do ano passado", afirmou o delegado do Deic.Matéria atualizada às 22h06

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.