Polícia prende mãe e filho por tráfico

Uma ponto de venda de drogas para a classe média, instalado em um conjugado em Ipanema e supostamente operado por mãe e filho, que foram presos, foi descoberto por policiais da 14.ª Delegacia de Polícia (Leblon). Eles prenderam seis pessoas e apreenderam maconha, cocaína e uma agenda, que teria telefones de pessoas famosas. As drogas eram vendidas havia pelo menos um ano. Há três semanas a polícia recebeu denúncia de movimento suspeito no local. A senha para entrar era dizer ao porteiro - que não estava envolvido - que o consumidor ia pegar "um convite".Segundo policiais, uma artesã e seu filho, um estudante de 18 anos, compravam cocaína na Favela do Jacarezinho por R$ 2 e depois a revendiam a R$ 20 ou R$ 50. A trouxinha de maconha era comprada por R$ 1 e vendida por R$ 5. O lucro era ainda maior porque, à cocaína, eram acrescentados fermento em pó, ácido bórico e energéticos. Além dos aditivos, os policiais recolheram também 11 porções de cocaína, três trouxinhas de maconha, R$ 365, US$ 3 e grampeadores para confecção de embalagens.Segundo o delegado-titular, Márcio Franco de Mendonça, foram encontradas também várias agendas. Uma delas teria nomes de músicos e jornalistas, que foram mantidos sob sigilo. O delegado disse que, no decorrer da semana, haverá uma investigação para cruzar os dados dessas pessoas e checar se podem ser consideradas consumidoras de drogas. Caso isso se confirme, serão chamadas para prestar depoimento.Jussara de Freitas morava no apartamento de Ipanema, um conjugado de quarto e sala, com dois filhos. A polícia investiga a possibilidade de o filho mais velho, que trabalha como vigilante, também estar envolvido.

Agencia Estado,

02 de setembro de 2001 | 21h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.