Polícia Civil/Divulgação
Polícia Civil/Divulgação

Polícia prende mãe suspeita de torturar filho de 1 ano no RS

Menino teve os dois braços e o fêmur de uma das pernas quebrados, além de queimaduras; padrasto da criança está foragido

Luciano Nagel, Especial para o Estado

09 de março de 2016 | 12h10

PORTO ALEGRE - Uma mulher de 22 anos foi presa em flagrante por agentes da Polícia Civil nesta terça-feira, 8, em Viamão, região metropolitana de Porto Alegre. A jovem é suspeita de torturar o filho, de apenas 1 ano e 11 meses. O menino, que teve os dois braços e o fêmur de uma das pernas quebrados, está internado no Hospital de Cardiologia do município. Seu estado de saúde é estável. A criança também sofreu queimaduras pelo corpo. 

Segundo a titular da Delegacia de Homicídio, Larissa Savegnago Fajardo, a denúncia chegou através do Conselho Tutelar. "Dias antes, o conselheiro tutelar tentou contatar os pais da criança, mas foi ameaçado de morte pelo padrasto, que impediu a entrada na residência", disse a delegada. "Diante destes fatos, o servidor contatou a polícia. Na ocasião, a mãe acabou levando o filho para o hospital e o padrasto fugiu." 

A mãe do menino foi detida em flagrante pelos policiais dentro do hospital enquanto aguardava atendimento e foi conduzida a Penitenciária Feminina Madre Pelletier, em Porto Alegre. De acordo com a delegada, esta não é a primeira vez que a criança é internada na instituição do município.

"A equipe médica do hospital relatou à polícia, que, desde janeiro deste ano, a criança havia sido internada com lesões semelhantes", relatou. 

Os policias também foram até a casa da família, em Viamão, para procurar o padrasto do menino, que até o momento não foi localizado. O homem tem diversos antecedentes criminais, incluindo dois homicídios. Na residência, foram encontrados cintas e fios de eletricidade utilizados para bater no menino.

Duas crianças, de 6 anos e 1 ano, estavam sozinhas na residência e foram levadas pelo Conselho Tutelar a um albergue. 

Tudo o que sabemos sobre:
PORTO ALEGREPolícia Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.