Polícia prende menor acusado de matar engenheiro nos Jardins (SP)

Por meio de uma denúncia anônima, agentes da equipe C-Sul do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, prenderam, às 22 horas de segunda-feira, o adolescente V.H.P.B., de 17 anos, acusado de matar, a tiros, durante um assalto, no último dia 2, o engenheiro Juliano Juliani Simões, de 28 anos. O crime ocorreu no saguão do Transamérica Flat 21St Century, localizado na altura do nº 473 da Alameda Lorena, nos Jardins, região nobre da capital paulista. Gaúcho, Juliani trabalhava em uma empresa no Rio Grande do Sul e veio para a capital paulista para participar de um curso.O adolescente, de 17 anos, foi preso na frente de sua casa, no Jardim Leonor, região do Jabaquara, na zona sul de São Paulo. Após cinco horas observando o local, os policiais detiveram o menor quando ele fugia em um Corsa branco. Ao sair para a rua e desconfiar da presença dos policiais, o jovem entrou no veículo.Após os policiais atirarem, o adolescente resolveu parar o carro e se entregou. Levado para a sede do DHPP, ele confessou ser o autor do disparo que matou o engenheiro. Segundo o delegado José Cláudio de Freitas, do DHPP, o adolescente completou 17 anos no último dia 12.Crime gravadoO circuito interno de tevê do flat registrou o crime. O bandido usava um boné e foi possível ver sua fisionomia. Testemunhas contaram que ele estava na garupa de uma motocicleta Honda Twister vermelha, cujas placas não foram anotadas. A dupla seguiu um táxi com três passageiros que desembarcaram na porta daquele apart-hotel. Antes de atacar Simões, o assaltante entrou no saguão e puxou pelo braço uma das três pessoas que haviam saído do táxi. A vítima foi obrigada a entregar a carteira, um aparelho celular e um relógio. Em seguida, o ladrão voltou ao saguão, onde Juliano Simões realizava o check-in. Agarrou a bolsa que ele trazia a tiracolo e estava saindo, quando a vítima o perseguiu. Já na porta do flat aconteceu o disparo que atingiu o engenheiro. Juliani morreu quando era atendido no Hospital das Clínicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.