Polícia prende segurança do chefe do tráfico no Complexo do Alemão

Também foi preso o suposto 'gerente' do Morro do Juramento, o 'Sapão'; entre segunda, 22, e hoje foram presas 124 pessoas, 148 foram detidas e outras 37 foram mortas

Solange Spigliatti, Central de Notícias

02 de dezembro de 2010 | 14h48

SÃO PAULO - Marcos Cesar Alves Romão, conhecido como Lokão, apontado como segurança pessoal do traficante Fábio Atanásio, conhecido como FB, chefe do tráfico de entorpecentes do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, foi preso na madrugada de quinta-feira, 2.

 

Veja também:

linkComandante do Exército diz que militares têm recebido ameaças

linkIbope: 88% aprovam ação contra criminosos no Rio

link92% dos tweets aprovam operação no Rio

linkPermanência põe em risco integridade das Forças Armadas

linkMais seis presos serão transferidos para presídio em Catanduvas

link'Não tenho a pretensão de acabar com o tráfico', diz Beltrame

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

especialINFOGRÁFICO - O mapa das facções cariocas

tabela CRONOLOGIA - A crise de violência carioca

 

Segundo informações anônimas recebidas pela polícia, o criminoso teria fugido do Complexo do Alemão e se escondido na casa de uma tia, no bairro de Santa Tereza, onde foi preso. Segundo os policiais, ele teria sido designado pelo FB para ser responsável pela venda de cocaína na localidade conhecida como Cinco Boca, na Cidade Alta.

 

De acordo com os policiais, Lokão já cumpriu seis anos de prisão no Complexo B do Presídio da Frei Caneca e contra ele havia dois mandados de prisão, sendo um por tráfico de drogas, expedido pela 25º Vara Criminal da Capital, e um por roubo expedido pela 1º Vara Criminal de Niterói.

 

Morro do Juramento. Também foi preso o suposto gerente geral do tráfico de drogas no Morro do Juramento, Thiago Braga de Souza Silva, conhecido como Sapão, de 24 anos, foi preso nesta quinta-feira, 2. Ele foi localizado na Avenida Pastor Martin Luther Jr., em frente ao morro do Juramento, em Thomas Coelho.

Com ele foram apreendidos 10 quilos de maconha prensada, uma pistola calibre ponto 40, com três carregadores municiados, parte de um fuzil AR-15, 44 pedras de crack, 41 papelotes de maconha, 50 sacolés de cocaína e R$ 778,00 em espécie.

 

Apreensões. A Polícia Militar divulgou hoje um novo balanço das operações no Rio. Até as 11h30 de hoje, foram apreendidas 2 metralhadores 9 mm, além de 3 fuzis, uma escopeta calibre 12, uma ponte de granada de bocal e munição.

A PM também apreendeu mais entorpecentes, entre eles, 21 tabletes de maconha de 0,8 kg cada e meio quilo da droga em trouxinhas, além de 250 gramas de cocaína.

Foram encontrados quatro rádios-transmissores, uma calculadora, cinco cadernos com anotações do tráfico e material para endolação - que é o processo de embrulhar a droga para a venda.

No total, entre segunda-feira, 22 de novembro e esta quinta, 2 de dezembro, foram presas 124 pessoas. Outras 148 foram detidas e 37 foram mortas. Houve 222 armas de diversos apreendidas, além de uma bazuca, 179 granadas e bombas caseiras e uma espada.

Uma grande quantidade de entorpecentes foi encontrada, incluindo 24, 23 toneladas de maconha, 88 kg e mais de 9 mil papelotes de cocaína, 1.176 lança-perfume e 563 papelotes de crack. Neste período, 105 veículos foram incendiados.

 

Autor de incêndios. Foi preso nesta quarta-feira, na comunidade da Fazendinha, no Complexo do Alemão, Felipe Marques Aguiar, vulgo "Gutinho", de 19 anos, acusado de atear fogo em três veículos na semana passada.

 

Segundo os agentes, eles localizaram o suspeito após receberem denúncia de um morador da comunidade de que Gutinho seria autor de um incêndio ocorrido na quinta-feira passada. Ainda de acordo com os agentes, eles foram ao local indicado e encontraram Felipe, com diversas queimaduras pelo corpo, tendo o mesmo confessado ter ateado fogo nos carros.

 

O crime ocorreu na Av. Pastor Martin Luther King Jr, em Inhaúma, onde foram queimados três veículos, entre eles uma van, cujo proprietário reconheceu o suspeito como um dos marginais que participou da ação criminosa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.