POLICIA CIVIL|DIVULGACAO
POLICIA CIVIL|DIVULGACAO

Polícia prende seis por duplo feminicídio em Minas

Mulheres foram torturadas por mais de uma hora antes de serem mortas com 42 facadas e terem os corpos queimados

Rene Moreira - Especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2018 | 15h00

Seis pessoas, incluindo quatro mulheres (três delas irmãs), foram presas nesta terça-feira, 18, por um duplo feminicídio em Itaúna , na região Centro-Oeste de Minas Gerais. Os suspeitos teriam torturado e matado as vítimas, Rafaela Caroline Ferreira dos Santos, de 17 anos, e Brenda Lorraine Santiago da Silva, de 19 anos, com 42 facadas em uma casa no bairro Morada Nova 2.

Depois do assassinato, os acusados levaram os corpos de caminhonete e queimaram na Serra do Galinheiro, área na divisa da cidade de Carmo do Cajuru (MG). "O epicentro do fogo foram na região genital e no rosto, o que demonstra que estavam com muita raiva", contou o delegado Weslley Amaral de Castro.

Os corpos foram reconhecidos graças a tatuagem que uma delas tinha com o nome de um ex-namorado. Os acusados teriam desentendimentos com as vítimas por suposto envolvimento com um dos presos. 

O homicídio ocorreu no último dia 29 de agosto, quando as duas mulheres foram atraídas para a casa, onde acabaram torturadas por mais de uma hora. "Chegaram a introduzir objetos nas genitálias delas", falou o delegado.

Prisão

Os acusados não quiseram falar com a imprensa ao serem apresentados pela polícia nesta terça-feira. Alguns choraram e uma das mulheres se resumiu a dizer que não fez nada e é inocente. Eles podem pegar mais de 30 anos de prisão cada pelo duplo feminicídio com agravantes, como a tortura e ocultação de cadáver.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.