Polícia Nacional do Paraguai
Polícia Nacional do Paraguai

Polícia prende seis brasileiros suspeitos de chacina que vitimou filha de governador no Paraguai

Suspeitos estavam em casa na cidade de Cerro Corá, vizinha de Pedro Juan Caballero; Grupo tinha celulares, joias e porções de maconha

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2021 | 13h49
Atualizado 11 de outubro de 2021 | 15h16

A polícia do Paraguai prendeu, na manhã desta segunda-feira, 11, seis brasileiros suspeitos de envolvimento no atentado que matou quatro pessoas e deixou outras três feridas, no sábado, 9, em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil.

Os suspeitos estavam em um sobrado, na localidade de Cerro Corá, vizinha de Pedro Juan. No local os policiais apreenderam três carros, celulares, joias e porções de maconha. Segundo a investigação, eles teriam abandonado e queimado uma caminhonete semelhante à que foi usada no ataque de sábado.

Os suspeitos foram identificados como sendo Juares Alves da Silva, Hywulysson Foresto, Luis Fernando Armando Simões, Gabriel Veiga de Sousa, Farley José Cisto da Silva Carrijo e Douglas Ribeiro Gomes, mas as identidades ainda estão sendo confirmadas com ajuda da polícia brasileira. O Ministério Público e a polícia paraguaia ainda investigam a relação dos suspeitos com a chacina.

O ataque aconteceu no bairro General Diaz, em Pedro Juan Caballero, a cinco quadras da fronteira com o Brasil. As vítimas saíram de uma festa e entravam em uma caminhonete Blazer quando foram atacadas. Tiros de fuzil e pistola atingiram as brasileiras Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos, Rhamye Jamilly Borges, de 18, e a paraguaia Haylle Carolina Acevedo Yunis, de 21, filha do governador do departamento de Amambay, Ronald Acevedo.

As três jovens eram estudantes de medicina. Também foi morto Osmar Vicente Alvarez Grance, de 32 anos, alvo principal do ataque, segundo a investigação. Ele seria ligado ao narcotráfico e tinha desavenças com a facção brasileira Primeiro Comando da Capital (PCC).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.