Polícia prende seqüestradores de criança em Curitiba

Policiais do Serviço de Investigação da Criança Desaparecida (Sicride), de Curitiba, prenderam hoje quatro pessoas acusadas de envolvimento no seqüestro de uma menina de 5 anos de idade. De acordo com as investigações, elas pretendiam receber um seguro de cerca de R$ 400 mil a que a criança teria direito em razão da morte de sua mãe, Luciene Ribeiro de Paula, em 1998, quando tinha 18 anos, no Chile. Seu marido, o professor de matemática Aristóteles Smolarek Júnior, de 26 anos, é acusado da morte e está preso em Curitiba, aguardando julgamento.Segundo o superintendente do Sicride, Adolfo Rosevics Filho, Smolarek Jr. teria feito o seguro em nome da mulher logo após o casamento em 1998. Dois meses depois, eles viajaram ao Chile. Lá, ele comunicou à polícia o desaparecimento da mulher e voltou sozinho ao Brasil. O corpo de Luciene foi encontrado dias depois e seu marido passou a ser o principal suspeito da morte. De acordo com o superintendente, Smolarek falsificou documentos colocando-se como pai da criança, que seria a beneficiária imediata do seguro. A mãe do professor, Leci Smolarek, foi designada para ter a guarda provisória da menina.O pai biológico, que não teve o nome revelado, conseguiu reverter a decisão e ficou com a guarda definitiva da criança. Há dez meses, quando o oficial de Justiça foi comunicar Leci da nova ordem judicial, ela fugiu levando a menina. Foram presos Maria Brasílio, Maria Lúcia Rosa e Marcelo Brasílio, parentes de Leci, que lhe davam cobertura. Todos foram autuados em flagrante por seqüestro e formação de quadrilha. Para despistar a polícia, Leci havia cortado e pintado o cabelo da criança. Ela foi encaminhada à Vara da Infância e Juventude e já está sob a guarda do pai biológico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.