Kleber A. Gonçalves/Diario do Nordeste
Kleber A. Gonçalves/Diario do Nordeste

Polícia prende suspeito de chacina que deixou 7 mortos em Fortaleza

Homem foi detido após a localização de um veículo que teria sido flagrado por câmeras próximo da sede da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF), local de um dos ataques

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

11 Março 2018 | 19h05

SOROCABA – A Polícia Civil prendeu neste domingo, 11, um suspeito de participação na chacina que deixou 7 mortos na sexta-feira, 9, no bairro Benfica, em Fortaleza (CE). De acordo com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado, o homem foi detido após a localização de um veículo que teria sido flagrado por câmeras próximo da sede da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF), local de um dos ataques. O carro, um Fiat Punto, estava na garagem de um prédio no bairro Meireles.

Uma equipe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), com apoio de outras unidades da Polícia Civil, foi ao local e localizou o dono do carro. No apartamento do suspeito, foram apreendidos dois revólveres calibre 38, uma pistola ponto 40, munições e carregadores. O homem tentou fugir, mas foi detido. Conforme a Secretaria, ele já tem passagens por crimes de roubo e receptação.

Em busca no automóvel, foram encontrados cápsulas deflagradas. O material foi encaminhado para a Perícia Forense do Ceará (Pefoce) para comparação com as cápsulas recolhidas nos locais dos crimes. O carro foi apreendido e também passará por perícia. O homem, que não teve a identidade divulgada, teve a prisão temporária decretada. Ele foi autuado por homicídio, posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, resistência, receptação e na Lei das Organizações Criminosas.

A Secretaria informou que seguem as diligências para a prisão de outros suspeitos. A sequência de ataques aconteceu em três locais diferentes do bairro Benfica, no centro de Fortaleza, com pouco tempo de diferença entre elas. Além dos sete mortos, quatro pessoas ficaram feridas – duas delas, baleadas, ainda estão internadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.