Polícia prende suspeito de cometer estupros em SP

A Polícia Civil prendeu na manhã de quinta-feira o pedreiro Giovani Ribeiro de Alcântara, de 27 anos, acusado de estuprar mulheres nas imediações da Universidade São Paulo (USP) desde janeiro deste ano. Até a noite de quinta-feira, só uma vítima fez o reconhecimento, mas a polícia suspeita que o número possa chegar a cinco. A Justiça decretou a prisão temporária de 15 dias para que a polícia possa identificar as demais mulheres. De acordo com o delegado titular Marcos Gomes de Moura, do 51.º DP, Alcântara foi detido quando perseguia uma mulher na Avenida Escola Politécnica. Muito assustada, a vítima deixou a via e atravessou correndo a Rodovia Raposo Tavares. Quase foi atropelada. Um carro da Delegacia Anti-Seqüestro (DAS) passava naquele momento e os policiais prenderam Alcântara. O delegado Moura descobriu que ele tinha duas passagens policiais por estupro. Em janeiro deste ano, o acusado deixou o Centro de Detenção Provisória de Osasco. Desde então, já teria atacado 20 universitárias e mulheres da região, segundo o delegado da DAS, Antônio de Olim. O delegado garantiu que Alcântara confessou os 20 estupros no momento da prisão. Na delegacia, porém, negou todos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.