Polícia/Divulgação
Polícia/Divulgação

Polícia prende suspeitos de planejar fuga de Marcelo Piloto

Traficante mais procurado do Brasil foi detido no Paraguai, em dezembro do ano passado, após anos foragido

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2018 | 04h07

SÃO PAULO - A Secretaria de Estado de Segurança (SESEG) do Rio de Janeiro informou nesta quarta-feira, 7, que dois homens foram presos acusados de envolvimento em um possível plano de fuga de Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, conhecido como Marcelo Piloto, de 42 anos, preso no Paraguai em dezembro do ano passado.

+ Justiça autoriza transferência de Rogério 157 para presídio federal

Uma denúncia feita pelo Disque-Denúncia alertou as autoridades, que abordaram um ônibus com destino a Foz do Iguaçu na altura do município de Seropédica, Região Metropolitana do Rio, e prenderam a dupla. Segundo a SESEG, ambos tinham anotações criminais e estavam em liberdade condicional.

A ação foi conduzida pela Subsecretaria de Inteligência (Ssinte) da SESEG junto com a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais (Draco/IE) e a Polícia Rodoviária Federal. A Draco/IE instaurou inquérito para apurar o possível plano de resgate de Marcelo Piloto.

Os agentes comunicaram a ocorrência à Vara de Execuções Penais (VEP) do Tribunal de Justiça do Rio e descobriram que a dupla não estava autorizada a deixar o Estado. A VEP revogou o benefício de liberdade condicional dos suspeitos e expediu mandados de prisão para os dois.

+ Cinco supostos membros do PCC são presos no Paraguai

Responsável pelo tráfico de armas, drogas e munições para abastecer as favelas dominadas pelo Comando Vermelho (CV), no Rio de Janeiro, Marcelo Piloto foi preso em dezembro do ano passado na cidade de Encarnación, no Paraguai. Ele era um dos criminosos mais procurados do Brasil, estava escondido havia cerca de cinco anos no país vizinho.

Na ocasião, o Portal dos Procurados oferecia uma recompensa de R$ 10 mil para quem desse informações que levassem à prisão do traficante. No país vizinho, passou a controlar o tráfego na fronteira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.