Polícia prende viúva do ganhador da Mega Sena assassinado

A ex-cabeleireira Adriana Almeida, de 29 anos, foi presa no início da tarde desta terça-feira, 30, sob acusação de envolvimento na morte do marido, o milionário da Mega Sena René Senna. Ela foi detida num hotel em Camboinhas, Região Oceânica de Niterói e teve a prisão temporária decretada por 30 dias. Logo depois da prisão, Adriana negou participação no crime: "Eu sou inocente, não tenho nada a ver com esse assassinato".A juíza Renata Gil, da 2.ª Vara Criminal de Rio Bonito, decretou no dia 25 a prisão da ex-cabeleireira Adriana. Mas, de acordo com nota divulgada pelo Tribunal de Justiça, a prisão só foi cumprida nesta terça porque a viúva "estava sendo localizada, visto que não encontrava-se em Rio Bonito".A juíza baseou-se no material apresentado pela polícia, em escutas telefônicas e na quebra do sigilo bancário. Renata Gil determinou o bloqueio da conta conjunta que Adriana mantinha com Senna e da conta pessoal dela. Outras pessoas também tiveram o pedido de prisão decretado, mas os nomes não foram divulgados pela juíza. O crime ocorreu no dia 7 de janeiro, em Rio Bonito. Em 2005, René ganhou sozinho o prêmio de R$ 52 milhões da Mega Sena. Já milionário, casou-se com Adriana, mãe de três filhos de relacionamentos anteriores.Na segunda-feira, a polícia praticamente descartou a hipótese de a moto achada na casa de Robson de Oliveira, amante de Adriana, ter sido usada no crime. Um dia após o delegado Ademir Silva apontar contradições na versão apresentada por Adriana, o advogado dela, Alexandre Dumans, pediu por meio de uma petição que ela dê outro depoimento. Ele admitiu que sua cliente mentiu à polícia porque queria proteger Robson Oliveira Andrade, seu amante. "O rapaz não têm a ver com o núcleo da investigação", disse o advogado. Matéria alterada às 18h30 para atualização de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.