Polícia prevê mais congestionamento na Régis

O motorista que já sofreu na saída de São Paulo para Curitiba e praias do sul, por conta dos congestionamentos na Rodovia Régis Bittencourt, terá ainda mais dificuldade no retorno. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prevê que o movimento será mais intenso, engrossado pelos caminhões com cargas para São Paulo. "O fluxo de caminhoneiros para carga ou descarga na capital paulista, que ocorre normalmente no domingo, foi transferido para a terça-feira por causa do Carnaval", explicou o agente Éder Carvalho, da PRF. A maior dificuldade deverá ocorrer no km 369, em Miracatu, onde começa o trecho de 33 km de pista simples, na Serra do Cafezal. Na descida da serra em direção ao sul, sábado, o congestionamento chegou a 45 km. Na volta, com o volume de veículos maior por causa dos caminhões, a Polícia prevê um trânsito bastante complicado. "Se o motorista puder, deve evitar a viagem entre o meio-dia de terça e o início da tarde de quarta-feira." Não há como escapar do gargalo na serra, pois a opção de seguir em direção ao interior de São Paulo pela SP-79, a partir de Juquiá, não é recomendada. Além de sinuosa, a alternativa tem pontos de erosão com meia pista. Desviar pela Rodovia Padre Manoel da Nóbrega, via Peruíbe, não garante escapar de congestionamentos na Pedro Taques e no Sistema Anchieta - Imigrantes. Ponte caída Outro gargalo para quem vai viajar do Paraná em direção a São Paulo é a ponte caída há mais de um ano no km 42,6 da Régis. O trânsito das duas pistas flui pela ponte remanescente e há previsão de congestionamento por causa do excesso de veículos. O tráfego normal no trecho, de 600 a 800 veículos por hora, deve ser dobrado, segundo Carvalho. A ponte avariada está sendo reconstruída, mas houve atraso. A entrega das obras foi adiada duas vezes e deverá ocorrer, finalmente, dia 15 deste mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.