Polícia procura mulher que raptou bebê de hospital no Paraná

Mulher aparentando 30 anos, de baixa estatura, teria entrado no Hospital da Providência, na cidade de Apucarana, entre 19 e 20 horas e levado recém nascido

Evandro Fadel, estadão.com.br

12 de agosto de 2010 | 16h55

CURITIBA - A polícia paranaense está mobilizada desde a noite de quarta-feira, 11, para encontrar uma mulher que raptou um bebê do sexo masculino recém-nascido no Hospital da Providência, em Apucarana, a cerca de 370 quilômetros de Curitiba, no norte do Paraná.

 

A polícia ouviu testemunhas que descreveram a mulher como aparentando 30 anos, de baixa estatura, gorda, pele morena e cabelos lisos escuros na altura dos ombros. Uma das testemunhas disse ter visto alguém com essa descrição juntamente com um homem, outra mulher e um bebê em um Gol preto com placas de Ponta Grossa. Imagens de praças de pedágio foram requisitadas pela polícia.

 

A mulher teria entrado no hospital, provavelmente no horário de troca de acompanhantes, entre 19 e 20 horas. O local tem duas entradas, uma das quais fica fechada a chave, mantida com o recepcionista. Segundo uma das assistentes sociais do hospital, nenhum dos funcionários viu alguém saindo com a criança. Não há câmeras de vídeo para gravar a movimentação na entrada do estabelecimento.

 

As testemunhas declararam à polícia, que a mulher, vestida com roupa branca, apresentou-se no quarto como enfermeira. Há no local quatro leitos, todos ocupados no momento. Havia ainda outras três acompanhantes, entre elas a avó do bebê raptado. Segundo a madrinha da criança, que nasceu às 18h20, Priscila Vilas Boas, a falsa enfermeira pediu a uma mãe que lhe desse o bebê para fazer o teste do pezinho e saiu do quarto. Como demorasse, a tia foi atrás e encontrou a mulher, que indicou estar a criança em outro quarto, onde realmente a encontrou, mas desenrolada do cobertor.

 

Novamente no quarto, a falsa enfermeira pediu outra criança, mas a mãe não deixou levar dizendo que estava na hora de amamentá-la. Por fim, pediu o bebê raptado que foi entregue pela avó por volta de 20 horas. Cerca de uma hora depois, como não retornasse e nem tivesse sido encontrado, as outras enfermeiras foram alertadas e disseram que o procedimento não era realizado naquele horário. A polícia foi comunicada imediatamente, mas as buscas foram infrutíferas tanto dentro quanto fora do hospital.

 

"Foi um choque, desespero, nove meses aguardando, vendo o sofrimento da esposa na hora do parto, chegar aqui e teu filho não estar mais aqui, uma qualquer levou teu filho embora, é triste", disse o pai do bebê, Lincoln Henriques, à Rede Paranaense de Comunicação (RPC), afiliada da Rede Globo. O casal tem outra filha, de cinco anos. Uma equipe do Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride), deslocou-se de Curitiba para Apucarana. A polícia também investiga se houve negligência por parte do hospital ou de algum de seus funcionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.