Polícia procura o corpo do traficante Zarur. Acha armas

Policiais militares vasculharam hoje a mata em torno da Favela da Rocinha, na zona sul do Rio, em busca dos corpos do traficante André da Costa Brito, o Zarur, e de cinco comparsas. Informações do serviço de inteligência da Polícia Civil indicam que Zarur, que assumira o controle do tráfico de drogas na Rocinha depois da morte de Luciano Barbosa dos Santos, o Lulu, em abril, foi morto por ex-aliados que disputam o poder na favela na madrugada de terça-feira. Nenhum cadáver foi encontrado, mas a polícia apreendeu armas e munição escondidos na mata. As buscas recomeçarão hoje.O coronel Jorge Braga, comandante do Batalhão de Polícia Militar do Leblon, informou que policiais encontraram manchas de sangue em vielas na parte alta da favela. Com a ajuda de cães farejadores, cerca de 25 policiais passaram o dia procurando os corpos na mata. Eles encontraram uma pistola Uzi 9mm, uma pistola PT 380, dois fuzis, uma carabina, uma escopeta, uma granada, munição e uniformes da Polícia Civil em sacos plásticos escondidos em grutas e fendas do morro.De acordo com a coordenadora de Inteligência da Polícia Civil, Marina Magessi, Zarur dominava o comércio de entorpecentes no alto da favela e foi morto por um bandido conhecido como Lion. Na parte baixa, o comando do tráfico estaria com Eriomar Rodrigues Moreira, o Bem-Te-Vi. Todos os bandidos são ex-integrantes da quadrilha de Lulu. A notícia da morte de Zarur trouxe apreensão, mas não alterou a rotina dos moradores da Rocinha. O comércio não recebeuordem para fechar as portas e funcionou normalmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.